Abusos na Igreja

Igreja portuguesa admite erros e diz que investigou uma dezena de suspeitas de abuso sexual

188

Na reação aos casos que o Observador tem revelado ao longo da semana, o porta-voz dos bispos portugueses reconheceu que "aqui ou ali" pode não ter existido a "devida investigação".

O padre Manuel Barbosa, porta-voz dos bispos portugueses, durante uma conferência de imprensa esta terça-feira em Fátima

JOÃO FRANCISCO GOMES/OBSERVADOR

A Igreja Católica em Portugal investigou uma dezena de denúncias de abuso sexual de menores desde 2001, informou esta terça-feira o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).

Confrontado com os casos que o Observador tem revelado ao longo desta semana, o padre Manuel Barbosa reconheceu que “aqui ou ali” pode não ter existido a “devida investigação”, mas salientou que “os casos tratados nos tribunais eclesiásticos onde chegam as denúncias são pouquíssimos e, desses, mais de metade a investigação prévia parou por falta de fundamento”.

No domingo, o Observador revelou a história do padre do Funchal que foi denunciado duas vezes por abuso sexual de menores e só à terceira queixa o bispo decidiu agir. E na segunda-feira, publicámos a história das seis semanas de silêncio da hierarquia da Igreja, na Golegã, que permitiram que o padre abusasse de uma segunda menor, quando já estava a ser investigado pelo clero.

Em conferência de imprensa, o padre Manuel Barbosa admitiu que é preciso reconhecer “com humildade se houve casos em que não se agiu corretamente”, porque “pode acontecer que aqui ou ali não tenha existido essa investigação”. Destacou, ainda assim, que “é justo reconhecer” que a CEP tem trabalhado “a nível de orientações comuns” e deixou a questão: “Além da Igreja, pergunto se há outras instituições que têm levado isto a peito. É uma interrogação que deixo”.

De acordo com o sacerdote, que falou aos jornalistas em Fátima após uma reunião do conselho permanente da CEP, mais de metade da dezena casos investigados nos tribunais eclesiásticos das dioceses portuguesas acabaram por não avançar, porque a investigação da Igreja considerou não haver fundamento. Por isso, essas suspeitas nunca foram comunicadas às autoridades civis.

O levantamento foi feito pelos bispos portugueses no processo de preparação para a cimeira inédita dedicada ao tema, que decorre na próxima semana no Vaticano e que junta os presidentes das conferências episcopais de todo o mundo. Portugal será representado pelo cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

“Alguns casos foram para os tribunais eclesiásticos. Desses casos, mais de metade pararam, porque a investigação prévia concluiu que não havia fundamento”, explicou o padre Manuel Barbosa. “Foi feito um levantamento dentro da realidade e há uma dezena de casos que foram investigados nos tribunais eclesiásticos”, continuou, detalhando que os números se referem ao período “desde 2001 para cá”.

Questionado sobre a prática de encaminhar ou não as suspeitas recebidas para as autoridades civis, o sacerdote vincou que “os tribunais eclesiásticos são juízes” com “competência técnica” para avaliar os casos. E sublinhou também que “em certos casos a justiça canónica é mais severa que a justiça da lei civil”.

Manuel Barbosa mantém que a conferência episcopal não planeia fazer uma investigação de âmbito nacional aos abusos sexuais na Igreja Católica, mas não descartou que “se vier uma orientação da Santa Sé nesse sentido”, a assembleia plenária dos bispos portugueses, que se reúne em abril deste ano, poderá adotar novas medidas.

Se vier uma normativa nesse sentido, veremos, mas teremos de esperar pelo encontro” de fevereiro, vincou o sacerdote.

Lembrando que “as normas não dizem que se deve comunicar à polícia”, o porta-voz dos bispos portugueses explicou que “é aconselhável que, quando o caso tem pernas para andar”, se “incentive” a vítima ou a família a comunicar o caso à polícia.

Sobre a situação em Portugal, que o cardeal-patriarca vai apresentar na próxima semana ao Papa e a líderes católicos de todo o mundo, o padre Manuel Barbosa sublinhou que há no país um número “reduzido” de casos.  “Quando digo que é reduzido, é reduzido mesmo. São pouquíssimos, e desses pouquíssimos, em quase metade a investigação prévia levou o caso a parar”, afirmou.

O levantamento feito pelos bispos que concluiu que houve, desde 2001, uma dezena de investigações insere-se num trabalho preparatório da cimeira do próximo mês, que passou também pelo envio para o Vaticano das respostas a um questionário confidencial, distribuído aos bispos de todo o mundo.

Outro dos pedidos feito pelo comité que o Papa encarregou de organizar o encontro foi que os presidentes das conferências episcopais de cada país se encontrassem com as vítimas de abusos antes de seguirem para Roma, a 21 de fevereiro.

“O primeiro passo deve ser tomar consciência da verdade do que aconteceu. Por esta razão, pedimos a cada presidente da conferência episcopal que se aproxime e visite as vítimas que sofreram abusos do clero nos seus respetivos países, antes da reunião de Roma e ouvir, em primeira mão, o seu sofrimento”, lê-se na carta enviada pelo comité em dezembro.

Questionado sobre se D. Manuel Clemente já o fez ou se irá fazê-lo, o padre Manuel Barbosa manteve a resposta dada no mês passado: que “os bispos, incluindo D. Manuel Clemente, continuam com disponibilidade ativa para escutar as presumíveis vítimas de abusos sexuais”.

Já sobre as vítimas concretas que existem em Portugal — há, pelo menos, nove vítimas cujas identidades são do conhecimento da hierarquia da Igreja, que sofreram abusos de padres na Golegã, em Vila Real e no Fundão — o padre Manuel Barbosa não adiantou detalhes, sublinhando apenas que a disponibilidade ativa a que se refere “vai dar ao mesmo” que “ir à procura ou contactar”.

Na semana que antecede a cimeira sobre os abusos sexuais no Vaticano, o Observador publica uma série de reportagens sobre a forma como a hierarquia da Igreja lidou com as denúncias de que teve conhecimento. As duas primeiras podem ser lidas aqui:

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Abusos na Igreja

Uma nova carta-encíclica de Bento XVI 

João Duarte Bleck
217

O texto do Papa emérito Bento XVI sobre os abusos sexuais na Igreja merece ser lido e que sobre ele meditemos pela sua profundidade analítica e elevação teológica. Obrigado querido avô Bento!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)