Tesla

Oficial. Concorrência já pode usar (todas) as patentes da Tesla

1.044

A tecnologia própria de uma empresa pode dar-lhe avanço sobre a concorrência. Mas Elon Musk opta por arriscar e anuncia que abriu as patentes dos seus carros eléctricos a quem quiser usá-las.

Elon Musk, no papel de super-herói que quer salvar o planeta e combater as alterações climáticas, anuncia que a Tesla deixa de ter segredos no que toca à tecnologia dos seus veículos eléctricos

AFP/Getty Images

O CEO da Tesla, Elon Musk, serviu-se das redes sociais, como é seu hábito, para dar uma informação que pode deixar muitos fabricantes a esfregarem as mãos de contentamento: a partir de agora, todas as patentes da marca norte-americana de veículos eléctricos estão ao alcance de quem quiser utilizá-las.

O anúncio, que ninguém esperava, foi feito no Twitter, mas remete com uma ligação para o site da Tesla, dando o devido carácter institucional à decisão. Uma decisão que, sublinhe-se, pode deixar muitos fabricantes surpreendidos, por não ser habitual um jovem construtor de automóveis decidir partilhar com a concorrência aquele que é um dos seus principais trunfos: a tecnologia. E no caso da Tesla, esta seria mesmo uma das suas maiores vantagens competitivas, pois ao contrário das marcas que estão a investir agora na mobilidade eléctrica, à Tesla ainda falta maturidade para lidar com a produção em larga escala, bem como qualidade, que ainda não está ao nível dos construtores tradicionais mais premium.

Então, qual o interesse de Elon Musk em ceder a tecnologia que diferencia os Tesla e faz destes, no momento, os melhores eléctricos do mercado? Segundo o próprio Elon Musk, mais importante do que as patentes, o que interessa é inovar, com o CEO a sinalizar assim que a marca que fundou não está de braços cruzados. Até porque vem aí uma forte ofensiva eléctrica, por parte dos gigantes da indústria. Mas ao abrir as suas patentes, a Tesla não estará a “dar um tiro no pé”? Musk acredita que não. Mais, entende que esta decisão vai fortalecer a companhia, porque se a tecnologia passar a estar em “código aberto” será mais fácil que outros detectem falhas e estas sejam resolvidas mais depressa. O empresário defende que as patentes impedem uma rápida evolução da tecnologia e esse “travão” só serve para “consolidar as posições de corporações gigantescas e enriquecer os profissionais da área jurídica, em vez dos inventores”.

Opiniões à parte, com este movimento, Musk quer contribuir para que o parque automóvel mundial se renove mais depressa, aumentando a percentagem de veículos eléctricos – o que dificilmente acontecerá contando apenas com o contributo da Tesla, atendendo a que a produção mundial ronda os 100 milhões de carros por ano…

O anúncio de Elon Musk inscreve-se na linha daquilo que também a Volkswagen se diz disposta a fazer para acelerar a transição para a mobilidade eléctrica. Só que enquanto o construtor de Wolfsburg abriu a possibilidade de partilhar a plataforma MEB sob licença, o que significa que terá aí uma outra fonte de receita, o fabricante de Palo Alto pura e simplesmente libera a tecnologia que desenvolveu.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)