A partir de março vai ser possível alugar as trotinetes elétricas da Lime em Coimbra, confirmou ao Observador Nuno Inácio, diretor de Expansão da Lime para Portugal. Até agora, o serviço de partilha de trotinetes operava apenas em Lisboa. O anúncio oficial decorre na quarta-feira, 13 de fevereiro, no Salão Nobre dos Paços do Município, em Coimbra.

Ao Observador, Nuno Inácio indicou que serão disponibilizadas entre 200 e 400 trotinetes em Coimbra. “Coimbra é uma ótima cidade para implementar este tipo de revoluções, pois tem investido em melhorar o seu serviço de mobilidade e mostrou grande abertura para a entrada da Lime desde o primeiro momento”, afirmou, referindo a grande densidade populacional e a forte presença de estudantes como fatores que ajudaram a levar a empresa para a cidade.

Depois de Coimbra, a Lime planeia estender a sua operação a mais cidades portuguesas, mas Nuno Inácio não avança nomes nem datas, afirmando que a marca está “focada” no seu trabalho em Lisboa e, agora, Coimbra.

Em Lisboa, a Lime e as outras empresas de trotinetes elétricas tem levado a diversas queixas e polémicas relacionadas com a circulação nos passeios e, sobretudo, com o mau estacionamento dos veículos partilhados. A situação já levou a Câmara Municipal de Lisboa a estabelecer multas para quem abandonar as trotinetes sem as arrumar devidamente. A própria Lime criou uma patrulha de 15 pessoas para estacionar as centenas de trotinetes espalhadas pela cidade.

A Lime, que recebe financiamento da Google e da Uber, é uma das várias empresas de partilha de trotinetes elétricas a operar em Portugal. A Bungo, a Hive e a Voi oferecem serviços similares. A Voi estendeu agora o seu serviço também a Faro. O vereador da mobilidade de Lisboa, João Gonçalves Pereira, avançou ao Jornal de Negócios que haverá mais 15 operadores interessados em entrar em Portugal.