Rádio Observador

Angola

Marcelo Rebelo de Sousa vai a Angola em março

Depois de João Lourenço ter estado em Portugal e de o António Costa ter visitado o país africano, agora é a vez de o Presidente de Portugal aterrar em Luanda. Santos Silva foi lá 4 vezes em 2 anos.

Santos Silva agradeceu ao Presidente angolano "a sabedoria" com que Angola atuou na sequência "do incidente" que ocorreu no Bairro da Jamaica, no Seixal

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Os chefes da diplomacia angolana e portuguesa afirmaram esta sexta-feira, em Luanda, estarem criadas “todas as condições” para a realização da visita de Estado do Presidente de Portugal a Angola, que decorrerá de 5 a 9 de março próximo.

Numa conferência de imprensa conjunta, Manuel Augusto e Augusto Santos Silva adiantaram que Marcelo Rebelo de Sousa visitará oficialmente Angola a partir de 5 de março e que a deslocação se prolongará por quatro dias, incluindo deslocações para fora da província de Luanda, embora não as tenham especificado.

Segundo Manuel Augusto, as reuniões de trabalho mantidas esta sexta-feira com o homólogo português, que se encontra em Luanda para uma visita de trabalho de 24 horas, permitiram limar todas as arestas para a criação de condições para a visita de Marcelo Rebelo de Sousa a Angola.

“Estão criadas todas as condições para a visita e as reuniões desta sexta-feira permitiram consolidar a preparação e o respetivo programa. Até 5 de março, vamos continuar a trabalhar para que a visita constitua um ponto alto nas relações entre os dois países”, sublinhou o ministro das Relações Exteriores angolano.

Por seu lado, Santos Silva, realçou que, durante a deslocação, Lisboa e Luanda vão assinar mais acordos de cooperação em vários domínios, que não especificou, que se juntarão aos 24 instrumentos já rubricados em Portugal, durante a visita, em novembro de 2018, do Presidente angolano, João Lourenço.

Salientando a “excelência das relações bilaterais”, o ministro dos Negócios Estrangeiros português realçou o facto de, em apenas dois anos, ser esta a quarta deslocação que faz a Luanda, destacando também que, desde setembro de 2018, o primeiro-ministro António Costa já esteve em Angola e João Lourenço em Portugal.

“Agora será a vez de o Presidente português fazer uma visita de Estado a Angola. Isto atesta bem a intensidade das relações entre os dois países”, sublinhou.

Santos Silva, que a meio da reunião de trabalho saiu para ser recebido em audiência por João Lourenço, salientou o facto de todos os documentos de cooperação assinados entre os dois países estarem na fase de desenvolvimento. “Hoje de manhã, tivemos oportunidade de fazer o ponto de situação e posso afirmar que todos os 24 instrumentos de cooperação [assinados durante as visitas de António Costa a Angola e de João Lourenço a Portugal] estão em curso”, referiu.

Santos Silva adiantou, por outro lado, que, ao analisar-se as relações económicas entre os dois países, nota-se que estão cada vez mais equilibradas — “uma relação económica tem de beneficiar ambos os países e de ser equilibrada” –, salientando que, no último ano, “a um menor volume das exportações portuguesas para Angola contrapõe-se um aumento das angolanas para Portugal”.

O chefe da diplomacia portuguesa realçou também o apelo que fez na quinta-feira à noite num encontro privado — realizado na residência do embaixador de Portugal em Luanda, João Caetano da Silva — com dezenas de empresários portugueses que operam em Angola, tendo garantido que estão entusiasmados com as novas perspetivas do mercado angolano.

Sobre o encontro com João Lourenço, o ministro português nada adiantou, limitando-se a indicar que agradeceu ao Presidente angolano “a sabedoria” na forma como quer a Embaixada de Angola em Portugal, quer o Ministério do Interior angolano atuaram na sequência “do incidente” que ocorreu no Bairro da Jamaica, no Seixal, arredores de Lisboa.

Terminada a parte institucional da visita de trabalho, Santos Silva, que viajou para Luanda acompanhado pelos secretários de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, e Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, faz esta sexta-feira à tarde visitas a duas empresas portuguesas que operam em Angola. Trata-se da construtora Teixeira Duarte, onde visitará o Centro de Formação da empresa, em Talatona (Luanda Sul), e a empresa Casais, em Viana (leste da capital angolana), após o que regressará, à noite, a Portugal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)