Angola

Marcelo Rebelo de Sousa vai a Angola em março

Depois de João Lourenço ter estado em Portugal e de o António Costa ter visitado o país africano, agora é a vez de o Presidente de Portugal aterrar em Luanda. Santos Silva foi lá 4 vezes em 2 anos.

Santos Silva agradeceu ao Presidente angolano "a sabedoria" com que Angola atuou na sequência "do incidente" que ocorreu no Bairro da Jamaica, no Seixal

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Os chefes da diplomacia angolana e portuguesa afirmaram esta sexta-feira, em Luanda, estarem criadas “todas as condições” para a realização da visita de Estado do Presidente de Portugal a Angola, que decorrerá de 5 a 9 de março próximo.

Numa conferência de imprensa conjunta, Manuel Augusto e Augusto Santos Silva adiantaram que Marcelo Rebelo de Sousa visitará oficialmente Angola a partir de 5 de março e que a deslocação se prolongará por quatro dias, incluindo deslocações para fora da província de Luanda, embora não as tenham especificado.

Segundo Manuel Augusto, as reuniões de trabalho mantidas esta sexta-feira com o homólogo português, que se encontra em Luanda para uma visita de trabalho de 24 horas, permitiram limar todas as arestas para a criação de condições para a visita de Marcelo Rebelo de Sousa a Angola.

“Estão criadas todas as condições para a visita e as reuniões desta sexta-feira permitiram consolidar a preparação e o respetivo programa. Até 5 de março, vamos continuar a trabalhar para que a visita constitua um ponto alto nas relações entre os dois países”, sublinhou o ministro das Relações Exteriores angolano.

Por seu lado, Santos Silva, realçou que, durante a deslocação, Lisboa e Luanda vão assinar mais acordos de cooperação em vários domínios, que não especificou, que se juntarão aos 24 instrumentos já rubricados em Portugal, durante a visita, em novembro de 2018, do Presidente angolano, João Lourenço.

Salientando a “excelência das relações bilaterais”, o ministro dos Negócios Estrangeiros português realçou o facto de, em apenas dois anos, ser esta a quarta deslocação que faz a Luanda, destacando também que, desde setembro de 2018, o primeiro-ministro António Costa já esteve em Angola e João Lourenço em Portugal.

“Agora será a vez de o Presidente português fazer uma visita de Estado a Angola. Isto atesta bem a intensidade das relações entre os dois países”, sublinhou.

Santos Silva, que a meio da reunião de trabalho saiu para ser recebido em audiência por João Lourenço, salientou o facto de todos os documentos de cooperação assinados entre os dois países estarem na fase de desenvolvimento. “Hoje de manhã, tivemos oportunidade de fazer o ponto de situação e posso afirmar que todos os 24 instrumentos de cooperação [assinados durante as visitas de António Costa a Angola e de João Lourenço a Portugal] estão em curso”, referiu.

Santos Silva adiantou, por outro lado, que, ao analisar-se as relações económicas entre os dois países, nota-se que estão cada vez mais equilibradas — “uma relação económica tem de beneficiar ambos os países e de ser equilibrada” –, salientando que, no último ano, “a um menor volume das exportações portuguesas para Angola contrapõe-se um aumento das angolanas para Portugal”.

O chefe da diplomacia portuguesa realçou também o apelo que fez na quinta-feira à noite num encontro privado — realizado na residência do embaixador de Portugal em Luanda, João Caetano da Silva — com dezenas de empresários portugueses que operam em Angola, tendo garantido que estão entusiasmados com as novas perspetivas do mercado angolano.

Sobre o encontro com João Lourenço, o ministro português nada adiantou, limitando-se a indicar que agradeceu ao Presidente angolano “a sabedoria” na forma como quer a Embaixada de Angola em Portugal, quer o Ministério do Interior angolano atuaram na sequência “do incidente” que ocorreu no Bairro da Jamaica, no Seixal, arredores de Lisboa.

Terminada a parte institucional da visita de trabalho, Santos Silva, que viajou para Luanda acompanhado pelos secretários de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, e Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, faz esta sexta-feira à tarde visitas a duas empresas portuguesas que operam em Angola. Trata-se da construtora Teixeira Duarte, onde visitará o Centro de Formação da empresa, em Talatona (Luanda Sul), e a empresa Casais, em Viana (leste da capital angolana), após o que regressará, à noite, a Portugal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A hipocrisia da política de sanções /premium

José Milhazes

A Europa perdoou à Rússia a agressão à Ucrânia, a invasão da Geórgia em 2018 e dá mais uma prova de “misericórdia” em 2019. A que se deverá este acto que traz à memória o famigerado Acordo de Munique?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)