O dirigente do Bloco de Esquerda José Gusmão é o número dois do partido às eleições europeias. Ex-assessor político de Marisa Matias no Parlamento Europeu e ex-deputado à Assembleia da República, o bloquista de 42 anos fica no segundo lugar de uma lista onde o outro grande destaque é o elevado número de independentes em lugares cimeiros. Economista e membro da Comissão Política do Bloco de Esquerda, José Gusmão é o rosto da “companhia” que Marisa Matias pediu recentemente para o Parlamento Europeu.

O anúncio foi feito na tarde deste sábado numa conferência de imprensa que decorreu num hotel em Lisboa, depois de uma reunião da Mesa Nacional que fechou os 21 nomes que o partido vai apresentar ao primeiro ato eleitoral de 2019.

Desde a XI Convenção do BE, em novembro passado, quando o partido anunciou que a eurodeputada seria novamente a cabeça-de-lista às eleições europeias de maio, que o partido estabeleceu como objetivo eleger mais do que um representante em Bruxelas. A responsabilidade recai agora sobre os ombros de um dos homens fortes do partido, que espera agora regressar ao Parlamento Europeu (PE) mas na condição de eleito.

A passagem de José Gusmão pelas lides europeias ficou marcada por uma polémica que o envolveu diretamente. Na sequência de uma queixa da direita portuguesa em Bruxelas, o PE pediu explicações ao dirigente do BE sobre o trabalho extra que o assistente da deputada europeia fazia para o partido. Entre elas a participação nos grupos de trabalho com o Governo de António Costa na altura da formação da “geringonça”. As conclusões da investigação acabaram por ilibar José Gusmão.

Próximo de Marisa Matias e uma das figuras em quem a eurodeputada mais confia – pertenceu à direção da sua campanha às presidenciais de 2016 -, José Gusmão terá sido um nome consensual para a Mesa Nacional do partido. De resto, nas últimas iniciativas em que Marisa Matias tem sido protagonista, José Gusmão tem sido uma presença frequente. Recentemente também tem vindo a ganhar espaço em programas de comentário. Na sua coluna de opinião no site oficial do partido, o ex-assessor da eurodeputada tem dedicado algumas crónicas ao tema europeu.

Lista com grande peso dos independentes

Nos lugares do topo da lista, é possível observar vários nomes de independentes. O terceiro lugar é ocupado por Sérgio Aires, ex-presidente da Rede Europeia Anti-pobreza, seguido pela ativista Anabela Rodrigues, da organização Solidariedade Imigrante e, segundo Marisa Matias, “um dos principais rostos da luta anti-racista”. Em quinto lugar o Bloco de Esquerda apresenta Alexandre Abreu, economista e colunista do semanário Expresso. É apenas no sexta lugar que volta a aparecer o nome dos quadros do Bloco de Esquerda: Ana Rute Marcelino, autarca eleita pelo partido.

Para Marisa Matias, trata-se de uma lista “diversa, com pessoas de várias origens e de diferentes idades” que forma um conjnunto de candidatos “forte”, que se vai empenhar e lutas como as “questões da pobreza” ou a “luta contra a austeridade”.

A cabeça-de-lista do partido às europeias estabeleceu ainda três pilares como base das prioridades do partido para a campanha eleitoral e para o próximo mandato europeu: “estado social, trabalho e ambiente“. Afirmou que o partido vai continuar a opor-se ao Pacto de Estabilidade e Crescimento e ao Tratado Orçamental e a pugnar por uma “Europa aberta, de liberdade e inclusiva”.

Aos jornalistas, Marisa Matias mostrou-se confiante e pronta para o combate eleitoral. “Não tenho medo de ser avaliada pelo trabalho que realizei no Parlamento Europeu nos últimos 10 anos”, afirmou.

O Bloco de Esquerda foi assim o primeiro partido a apresentar a lista completa às eleições europeias num dia em que o PS apresenta o seu cabeça-de-lista.