Nações Unidas

Militares portugueses na RCA recebem medalha das Nações Unidas

No discurso dirigido à força portuguesa, o tenente-general que presidiu a cerimónia agradeceu o "excelente desempenho, profissionalismo e dedicação dos militares portugueses" nas operações realizadas.

A atual Força Nacional Destacada na República Centro-Africana conta com um efetivo de 180 militares, é maioritariamente composta por tropas especiais paraquedistas

Tiago Petinga/LUSA

Os militares do Exército e da Força Aérea que estão ao serviço da Organização das Nações Unidas (ONU) na República Centro-Africana (RCA) foram condecorados pela ONU, informou esta quinta-feira o Estado-Maior General das Forças Armadas.

Segundo um comunicado do Estado-Maior General das Forças Armadas, os militares receberam a medalha das Nações Unidas na quarta-feira e a um mês do seu regresso a Portugal.

A cerimónia foi presidida pelo tenente-general Balla Keita, comandante da componente militar da missão multidimensional integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA).

No discurso dirigido à força portuguesa e citado no mesmo comunicado, Balla Keita agradeceu o “excelente desempenho, profissionalismo e dedicação dos militares portugueses na condução das operações militares realizadas”.

O comandante adiantou que as ações de combate realizadas por esta força, maioritariamente composta por paraquedistas, foram “decisivas para a proteção das populações e para o fortalecimento do diálogo político para a paz”.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por grupos armados juntos na designada Séléka (coligação, na língua franca local), o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O conflito neste país, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária. A 6 de fevereiro foi assinado em Bangui um acordo de paz entre o Governo e 14 milícias.

A atual Força Nacional Destacada na República Centro-Africana conta com um efetivo de 180 militares, é maioritariamente composta por tropas especiais paraquedistas e integra três controladores aéreos avançados da Força Aérea e militares de outras unidades do Exército.

O atual contingente termina a missão no dia 11 de março, altura em que regressa a Portugal e um novo grupo assume as funções de Força de Reação Rápida por mais seis meses neste teatro de operações.

Portugal está presente na RCA desde o início de 2017, no quadro da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana (MINUSCA).

Portugal também integra e lidera a Missão Europeia de Treino Militar-República Centro-Africana (EUMT-RCA), comandada pelo brigadeiro-general Hermínio Teodoro Maio.

Na EUTM-RCA, que está empenhada na reconstrução das forças armadas do país, Portugal participa com um total de 53 militares (36 do Exército, nove da Força Aérea, cinco da Marinha e três militares brasileiros).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)