Os dez sindicatos de professores reuniram-se na manhã de esta terça-feira e decidiram convocar uma manifestação nacional para o dia 23 de março, um sábado, noticia a SIC Notícias. As negociações entre o setor e os professores relativamente ao descongelamento do tempo de serviço permanecem num impasse.

O anúncio da greve foi feito por Mário Nogueira, dirigente da Federação Nacional Dos Professores (Fenprof). Em conferência de imprensa, Mário Nogueira previu uma “grande manifestação” e disse: “No dia 23 de março, as pessoas vão concentrar-se no Marquês de Pombal. Iremos depois decidir para onde nos dirigiremos, admitindo por exemplo que uma possibilidade é a Assembleia da República, se nesse momento a solução, já não estando no Governo, esteja a ser debatida ou a solução já passe pela Assembleia da República”.

Como é que vamos resolver este problema sério e grave? O Governo de Portugal e do Partido Socialista está a desrespeitar a lei, está a tentar apagar e portanto a desrespeitar anos de serviço que os professores trabalharam com os seus alunos nas escolas”, apontou Mário Nogueira, líder da Fenprof.

Nos dois dias anteriores, 21 e 22 de março, foi convocada uma greve dos funcionários das escolas das escolas, pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais. O setor queixa-se de falta de pessoal não docente em unidades de ensino.

Mário Nogueira: “Esbarrámos num muro de intransigência do Governo”

Jerónimo avisa Governo que “não basta sentar-se à mesa” com os professores