Tinha 24 semanas de gestação e pesava apenas 268 gramas quando nasceu. A mãe tinha dúvidas se o menino iria conseguir sobreviver: era tão pequeno que cabia na palma da mão de um adulto e os médicos receavam possíveis problemas cardíacos, respiratórios e infeções graves, tendo em conta a imaturidade dos seus órgãos. Mas esta semana, ao fim de cinco meses, o bebé prematuro que estava internado nos cuidados intensivos do Hospital Universitário de Keio, em Tóquio, teve alta, podendo, assim, entrar em casa com os pais pela primeira vez. Agora, pesa 3,2 quilos.

Não se sabe o seu nome — o hospital não quis revelar a identidade do recém-nascido –, mas Takeshi Arimitsu, um dos médicos responsáveis pelo tratamento do bebé, disse à BBC que este foi o recém-nascido mais pequeno do mundo a conseguir sobreviver com tão pouco peso, apoiado num estudo feito pela Universidade de Iowa. Mas o percurso não foi fácil.

Tudo começou quando os médicos japoneses perceberam que, às 24 semanas de gestação, o peso do bebé não aumentava e os seus órgãos não se estavam a desenvolver dentro do útero da mãe. Foi aí que, para conseguirem salvar a criança, tiveram de realizar uma cesariana de emergência.

Durante cinco meses, o rapaz esteve numa incubadora aos cuidados de neonatologistas, que são pediatras treinados e especializados para prestarem cuidados médicos a recém-nascidos. Com eles, houve também a ajuda de cardiologistas, nutricionistas, oftalmologistas e outros especialistas que garantiram o correto desenvolvimento de cada um dos órgãos do recém-nascido. Com o tempo, e evitando complicações, o bebé foi crescendo e chegou até a conseguir ser alimentado normalmente.

Estou feliz que ele tenha crescido tanto porque, honestamente, não tinha a certeza se ele conseguia sobreviver”, referiu a mãe do menino, citada pelo hospital universitário de Keio.

As estatísticas indicam que apenas mais 23 bebés prematuros no mundo conseguiram sobreviver depois de nascerem com menos 300 gramas. Desses 23, apenas quatro eram rapazes. O médico Takeshi Arimitsu explicou ainda que, quando se trata de bebés nascidos com menos de um quilo, a taxa de sobrevivência ronda os 90%, mas quando os recém-nascidos têm menos de 300 gramas, essa mesma taxa cai para 50%. O tempo de gestação é também essencial para se perceber a hipótese de sobrevivência nestes casos, tendo em conta que mais uma semana pode ser crucial para o desenvolvimento do recém-nascido. E cada caso tem de ser analisado com muito cuidado.

“Há sempre a possibilidade de os bebés deixarem o hospital com saúde, mesmo quando nascem nestas situações”, acrescentou ainda o médico à BBC.