Rádio Observador

Armamento Nuclear

Yongbyon, o “coração nuclear” da Coreia do Norte que Kim ia oferecer a Trump

O complexo tem capacidade para produzir material para sete a dez bombas nucleares e o líder do regime estava apto a destruí-lo. Mas o seu fim não seria o fim do programa nuclear e Trump não aceitou.

Imagens de satélite do complexo nuclear de Yongbyong, na Coreia do Norte

D.R.

Chama-se Yongbyon, fica a cerca de 100 quilómetros da capital norte-coreana de Pyongyang, e é considerada a maior instalação nuclear da Coreia do Norte, com capacidade de produção suficiente para construir cinco a sete bombas atómicas. Esta quinta-feira, Kim Jong-un ofereceu-a numa bandeja a Donald Trump, na cimeira entre os dois líderes. Mas aquilo que exigiu em troca — o levantamento total das sanções a que a Coreia do Norte está sujeita — foi um preço demasiado alto a pagar para o Presidente norte-americano, que recusou, levando assim ao fim abrupto da cimeira. Na decisão de Trump terá ainda pesado o facto de que os EUA suspeitam que Pyongyang tem outros locais secretos de produção de armamento nuclear.

Inaugurado em 1986, Yongbyon é um complexo composto por dezenas de edifícios com um reator com capacidade de cinco megwatts, um reator de termodinâmica experimental com capacidade de 100 megawatts e — ainda mais relevante — é uma das poucas instalações no país com capacidade para enriquecer urânio. Siegrid Hecker, investigador nuclear da Universidade de Stanford que visitou Yongbyon quatro vezes, estima que o complexo tenha capacidade para produzir material suficiente para fabricar cinco a sete bombas atómicas.

O encerramento de instalações como estas seriam, na opinião de Hecker “um grande, grande feito”. “Vejo Yongbyon bomo o coração do programa nuclear [da Coreia do Norte]”, resumiu o investigador ao Washington Post.

Já em 1992 havia relatos na imprensa norte-americano do “misterioso local” que podia ser um sinal de que os norte-coreanos estavam a tentar tornar-se numa potência nuclear. Num artigo publicado no New York Times podia ler-se que o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica, Hans Blix, visitou o “extenso laboratório em Yongbyon”, que, segundo o jornal, representava “a prova mais firme de que a Coreia do Norte pode ter tentado construir uma bomba nuclear, ou talvez continue a tentar fazê-lo”.

Dois anos depois, e na sequência de negociações entre os governos norte-americano e norte-coreano, o reator principal de Yongbyong foi encerrado em 1994. Em 2003 voltaria a funcionar, na sequência do colapso das negociações entre os dois países. O processo repetir-se-ia alguns anos depois: encerrada em 2007, Yongyong voltou ao pleno funcionamento dois a três anos mais tarde, depois de inspetores internacionais terem sido banidos das instalações e de o regime ter investido no enriquecimento de urânio — um componente essencial para a produção de armamento nuclear.

O desmantelamento de Yongbyon atrasaria o programa nuclear da Coreia do Norte — mas não acabaria com ele

A possibilidade de Yongbyon voltar a ser encerrada, na sequência da aproximação de Kim Jong-un e Donald Trump, é uma hipótese que já tinha sido falada pelo regime norte-coreano. Numa das cimeiras entre as duas Coreias, em setembro de 2018, Kim terá proposto a “destruição permanente” de Yongbyon, mas apenas no caso de os Estados Unidos tomarem “ações correspondentes”. Agora, na véspera da cimeira de Hanói, o assunto voltou a ser abordado: Moon Chung-in, conselheiro do Presidente sul-coreano, disse à agência Bloomberg que o líder norte-coreano estava disponível para encerrar o complexo e permitir a entrada de inspetores internacionais no local.

Imagens de satélite recentes, analisadas pelo site especializado em assuntos da Coreia do Norte 38 North, mostram que o reator de produção de plutónio não parece estar operacional, mas que continua a haver “movimento de veículos e de pessoal à volta do reator”.

O encerramento deste complexo representaria uma machadada forte no programa nuclear norte-coreano, afirmou Hong Min, membro do Instituto da Coreia pela Unificação Nacional, ligado ao Governo sul-coreano, ao Korea Herald: “As capacidades nucleares da Coreia do Norte seriam continuamente reduzidas após o desmantelamento do complexo de Yongbyon, ao mesmo tempo que a produção adicional de plutónio que pode ser usada para uma bomba de hidrogéneo seria interrompida.”

Apesar de representar uma boa notícia para os que gostariam de ver a Coreia do Norte desnuclearizada, a verdade é que a destruição de Yongbyon, embora seja significativa, não representaria o fim do programa nuclear do país.

A instalação onde se enriquece urânio desde 2010 exige uma experiência operacional de alto desempenho. A Coreia do Norte pode ter um local escondido onde acumula experiência”, alertou Ahn Jin-soo, investigador nuclear, ao mesmo jornal.

Jeffrey Lewis, investigador do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais, resumiu assim a situação: os serviços secretos norte-americanos creem que há pelo menos mais duas centrais de enriquecimento de urânio no país (uma em Kangson, a outra num local não identificado) e, portanto, o encerramento de Yongbyon “pode ‘atrasar’ o crescimento do inventário de matéria físsil, mas não ‘acaba’ com ele”. Talvez por isso, Donald Trump tenha decidido que não valia a pena ceder e aceitar a proposta de Kim Jong-un.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)