Rádio Observador

Assédio Sexual

Kevin Spacey volta a tribunal (por telefone). Defesa quer vídeo das agressões sexuais e dados do telemóvel da vítima

O juiz decidiu que o ator não é obrigado a estar presente na sessão onde se vai decidir se existem ou não indícios suficientes para levar Spacey a julgamento por ter abusado de um rapaz de 18 anos.

Na audição, vai ser avaliado se existem ou não indícios suficientes para levar Kevin Spacey a julgamento

Nicole Harnishfeger-Pool/Getty Images)

O caso das alegadas agressões sexuais do ator Kevin Spacey a um jovem de 18 anos, filho da antiga pivô, Heather Unruh, volta esta segunda-feira ao tribunal de Massachusetts, onde se dará início a uma audição preliminar (o equivalente à fase de instrução, em Portugal, na qual se avaliam se existem ou não indícios suficientes para levar os suspeitos a julgamento).

O ator não deverá, no entanto, comparecer. O juiz respondeu a um requerimento dos advogados de Spacey e decidiu que este não era obrigado a estar presente na sessão, mas teria de estar disponível por telefone.

Já no início de janeiro, quando foi a tribunal para ser formalmente acusado, Spacey chegou a pedir um requerimento para não comparecer fisicamente no tribunal, justificando-se com o facto de não residir no estado onde irá decorrer a audiência e por acreditar que a sua presença iria “ampliar a publicidade negativa já gerada em redor do caso”. Dessa vez, o juiz negou e obrigou Spacey a comparecer. O ator compareceu e declarou-se inocente de todas as acusações.

Na semana passada, os advogados de Spacey requereram os registos telefónicos do filho de Unruh, dizendo que estavam interessados ​​em dados — incluindo aqueles que possa ter armazenado na iCloud — de qualquer telemóvel que tenha usado entre 7 de julho de 2016 e 1 de dezembro de 2017 — as agressões sexuais terão acontecido em julho de 2016. Os advogados esperam recuperar  fotografias, Snapchats, chamadas telefónicas ou mensagens trocadas” entre a vítima e Spacey ou até mesmo entre a vítima e outras pessoas com quem possa ter falado sobre o caso, revela a CNN.

Os advogados procuram também documentos e imagens de vídeo vigilância do bar onde terão ocorrido os abusos. Embora o então proprietário do bar tenha já dito, segundo a CNN, que não tem os vídeos consigo, os advogados da Spacey querem saber a identidade do contabilista do antigo proprietário, uma vez que acreditam que este tenha na sua posse algum documento relevante para o caso.

Na sessão em que Spacey foi acusado formalmente, foi mostrado um vídeo de um segundo do Snapchat que mostra uma mão e algumas roupas. O vídeo terá sido enviado pelo filho de Unruh para a namorada, enquanto o ator abusava do rapaz. Isto porque, segundo alegou a defesa do jovem, a namorada não acreditava no que ele lhe dizia por mensagem de texto e, por isso, terá enviado o vídeo. Os advogados de Spacey defenderam, no entanto, que esse vídeo não contém qualquer indício de agressão sexual.

O caso (dos 30 de que é acusado) que leva Spacey a tribunal

Tudo terá acontecido no The Club Car, um bar no condado de Nantucket, no estado norte-americano de Massachusetts. Foi lá que o jovem conheceu Kevin Spacey e ficou fascinado. Nesse bar, Spacey “comprou-lhe bebida atrás de bebida atrás de bebida atrás de bebida”, contou Heather Unruh, mãe da vítima e antiga pivô de televisão. “Quando o meu filho estava bêbado, Spacey deu o passo em frente e agrediu-o sexualmente”, continuou Unruh.

Terá sido no The Club Car, um bar no condado de Nantucket, em Massachusetts, que terá ocorrido o abuso de que Kevin Spacey está acusado (Fotografia: JOSEPH PREZIOSO/AFP/Getty Images)

Spacey enfiou a mão dentro das calças do meu filho e agarrou-lhe os genitais. Os esforços do meu filho para mover o seu corpo e tentar tirar a mão de Spacey tiveram apenas sucesso momentaneamente. O meu filho entrou em pânico, congelou. Ele estava embriagado”, continuou a relatar Unruh sobre a noite de julho de 2016, numa conferência de imprensa que convocou para falar do caso — sem nunca mencionar o nome do filho.

Spacey enfiou a mão dentro das calças do meu filho e agarrou-lhe os genitais. Os esforços do meu filho para mover o seu corpo e tentar tirar a mão de Spacey tiveram apenas sucesso momentaneamente”, disse a mãe da vítima.

Terá sido uma mulher que ajudou o filho de Heather Unruh. Depois de o ter agredido sexualmente, segundo a antiga jornalista, Spacey deixou um convite: continuar a noite numa festa privada. O jovem terá então sido abordado, quando se dirigia à casa de banho, por uma mulher que assistiu ao sucedido e que “lhe disse para correr e foi o que ele fez — correu tão rápido quanto podia”. Até à casa da sua avó, não muito longe dali.

A antiga pivô convocou uma conferência de imprensa para falar sobre o alegado caso de agressão sexual de Spacey ao filho (Fotografia: JOSEPH PREZIOSO/AFP/Getty Images)

Já na casa, acordou a irmã e ambos ligaram à mãe, que se encontrava em Boston. Chegou no dia seguinte. “Nada poderia ter preparado o meu filho para como esta agressão sexual o faria sentir enquanto homem. Isto prejudicou-o e não pode ser desfeito. Enquanto ele foi tentando o seu melhor para lidar com isto, como ele costuma dizer, o que aconteceu está sempre presente e continua a incomodá-lo. Ele não pode apagar isto”, desabafou Unruh, acrescentando que, embora o filho não tenha querido fazer queixa do ator na altura, “em grande parte pela vergonha e pelo medo”, fê-lo naquela semana que antecedeu a conferência de imprensa.

A antiga jornalista aproveitou ainda para mandar uma mensagem diretamente ao alegado agressor do filho. “Ao Kevin Spacey, quero dizer isto: devia ter vergonha pelo que fez ao meu filho“.

Mas este não é o único nem foi o primeiro caso a ser revelado de agressões sexuais a envolver Kevin Spacey. O primeiro episódio relatado terá acontecido em 1986, quando a alegada vítima, o ator Anthony Rapp, tinha apenas 14 anos e Spacey tinha 26. Este caso, revelado em outubro de 2017, na sequência do movimento #metoo, levou Unruh a revelar o caso de que o filho tinha sido alvo. A lista de pessoas que acusam o ator norte-americano de assédio e agressão sexual já ultrapassa as três dezenas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)