Rádio Observador

Prisões

Serralves leva realidade virtual a reclusos de Custóias e de Santa Cruz do Bispo

O objetivo é abrir "janelas para o mundo". A Presidente do Conselho de Administração de Serralves afirma que o projeto procura "contribuir para o desenvolvimento psicossocial da população reclusa.

João Abreu Miranda/LUSA

A Fundação de Serralves vai dar início, na segunda-feira, a um projeto que visa levar a realidade virtual aos reclusos dos estabelecimentos prisionais de Custóias e de Santa Cruz do Bispo, e assim abrir-lhes as “janelas para o mundo”. Em declarações à agência Lusa, Denise Pollini, coordenadora do serviço educativo artes de Serralves, e uma das responsáveis pelo projeto, que tem a duração de três anos, explicou que a ideia surgiu por intermédio de uma professora do estabelecimento prisional de Custóias que “tentava ampliar os horizontes aos reclusos”. “Há já alguns anos que tínhamos vontade de desenvolver um projeto deste género com os educadores de Serralves dentro de estabelecimentos prisionais”, disse, salientando que este tem em vista a “expansão das perspetivas dos reclusos e o aumento das aspirações deles com vista no futuro”.

O projeto, denominado “Janelas para o mundo”, arranca na próxima segunda-feira, e vai abranger cinco grupos de reclusos do estabelecimento prisional de Custóias e dois grupos “intergeracionais” de mães e filhos da prisão de Santa Cruz do Bispo. “Este é um projeto bastante complexo. Temos vários objetivos, entre os quais o desenvolvimento psicossocial, a cooperação entre os reclusos e atividades que estão a ser estruturadas para discutir o conceito de identidade e de autoestima”, frisou Denise Pollini. Assim, através de uma exposição pedagógica, oficinas laboratoriais nas áreas da ciência e das artes e de sessões teórico-práticas, os reclusos vão ter a oportunidade, uma vez por mês, de fazer “uma visita orientada à fundação e ao parque”.

À Lusa, a adjunta do diretor da prisão de Custóias, Ana Costa, afirmou que os reclusos se encontram “muito recetivos ao projeto” e que, neste momento, são mais de 100 os inscritos. “É a primeira vez que temos Serralves a entrar na nossa casa e há muita recetividade por parte dos reclusos, porque é algo novo e esta tecnologia é muito boa para eles aderirem ao projeto”, afirmou.

A apresentação do “Janelas para o mundo” decorreu esta tarde, em Serralves, juntamente com a apresentação de outros dois projetos, financiados pela Portugal Inovação Social. Durante a sessão, que contou com a presença da secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, Maria do Céu Albuquerque, a presidente do Conselho de Administração de Serralves, Ana Pinho, salientou que o projeto é também “uma nova janela que se abre” para Serralves.

“Pretende-se, desta forma, contribuir para o desenvolvimento psicossocial da população reclusa através de uma proposta inovadora que implementa estratégias de promoção social a partir das artes e ambiente que proporcionam oportunidades de experiências de vida e da estruturação do pleno exercício da cidadania, visando assim a minimização dos problemas sociais graves associados à reclusão”, acrescentou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)