Rádio Observador

Venezuela

Colômbia considera chegada de soldados russos à Venezuela uma “incursão militar”

Trujillo expressou, em nome da Colômbia, a "mais profunda preocupação e rejeição" à chegada das duas aeronaves militares russas num momento "em que o país atravessa uma grave crise multidimensional".

O ministro das Relações Exteriores, Carlos Holmes Trujillo

Mauricio Duenas/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, qualificou esta terça-feira como “uma incursão militar” a chegada de soldados russos à Venezuela, no domingo, a bordo de dois aviões que aterraram no aeroporto de Caracas.

“Esta é uma incursão militar em território venezuelano, a qual não contou com a autorização da Assembleia Nacional, como estabelece a Constituição da Venezuela”, disse o responsável do país vizinho, durante a intervenção no fórum “Grande jornada de reflexão sobre a Venezuela: transição política e reconstrução económica”, organizado pelo jornal El Tiempo e a Universidade de Rosário.

Por isso, Trujillo expressou, em nome da Colômbia, a “mais profunda preocupação e rejeição” à chegada das duas aeronaves militares russas num momento “em que o país atravessa uma grave crise multidimensional”. Na sua opinião, “o regime de Nicolás Maduro recusa-se a enfrentar” essa crise e “perante as evidências, não hesita em usar a repressão para perpetuar-se” no poder.

Segundo o jornal El Nacional, os soldados comandados pelo major-general Vasili Tonkoshkurov, chefe do Estado Maior do Exército de Terra russo, chegaram ao aeroporto de Maiquetía a bordo de dois aviões militares que transportavam também 35 toneladas de material não especificado.

A Rússia é um dos maiores aliados e apoia publicamente o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, perante o desafio do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, o autoproclamado e reconhecido por meio centena de países como o presidente interino da Venezuela.

O Governo de Maduro costuma referir-se à Rússia, que fornece armamento, tecnologia e outros recursos, como um “aliado estratégico” da sua política multilateral. Neste sentido, e perante o processo de transição que considera que deve começar na Venezuela, o ministro das Relações Exteriores da Colômbia enunciou que “o regime abusou da boa fé e boas disposições dos seus interlocutores e atores internacionais para se perpetuar e frustrar a vontade democrática dos venezuelanos”.

Por isto, sublinhou que para que aconteça “o fim da usurpação” que considera que Maduro está a fazer no Governo venezuelano, deve ocorrer, como “condição necessária”, o processo de transição democrática e a realização de “novas eleições verdadeiramente democráticas”.

A crise política na Venezuela agravou-se a 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro. Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos. A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes. Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados da ONU. Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Guaidó afirma que presença de militares russos na Venezuela viola a Constituição

Também Juan Guaidó disse esta terça-feira que a presença de quase uma centena de militares russos no país “viola a Constituição”. “Parece que (no Governo, do Presidente Nicolás Maduro), não confiam nos seus militares, porque estão a importá-los, violando a Constituição novamente”, disse.

Juan Guaidó falava em Caracas, durante uma sessão parlamentar convocada para analisar a chegada, no fim de semana, de dois aviões russos à Venezuela e um grupo de 99 militares da Rússia, e o pagão que desde segunda-feira afeta o país.

Esses aviões não trouxeram geradores, nem técnicos para intervir (na barragem de) El Guri, nem geradores para substituir os danificados, trouxeram militares estrangeiros para solo venezuelano, esquecendo a crise que temos na Venezuela”, disse.

Guaidó frisou que o Governo venezuelano “não tem como solucionar” a crise elétrica “que criou” no país, e que inventa motivos, recomendando à população que compre velas e lanternas, perante uma falha técnica provocada pelo “mau funcionamento e a corrupção” no sistema elétrico venezuelano.

Segundo Juan Guaidó a presença de militares russos no país deveria ser autorizada pelo parlamento venezuelano, o único poder público controlado pela oposição no país. Entretanto, através de um comunicado a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiro de Rússia, Maria Zajarova, explicou que o envio de tropas militares russas para Caracas faz parte de um acordo de cooperação técnico-militar assinado entre a Venezuela e a Rússia em 2011, o que dispensa “aprovação adicional”.

“A presença de especialistas russos em território da Venezuela está regulada pelo Acordo de Cooperação Técnico-Militar assinado em maio de 2011, pelo Governos da Rússia e da Venezuela, e que foi ratificado, em seu momento, por ambos países”, explica o documento divulgado pela imprensa venezuelana e agências de notícias internacionais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)