China

Banco da China alarga serviços financeiros a residentes e empresas de Macau

O protocolo assinado entre o governo de Macau e o Banco da China estabelece que os residentes de Macau possam "usufruir de um tratamento equitativo em comparação com os residentes da China interior".

A partir de agora, os os residentes e as empresas de Macau podem, apenas com o bilhete de identidade, "tratar de abertura de contas bancárias, de cartões, de registos e de transações", refere o comunicado

CARMO CORREIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O governo de Macau e o Banco da China assinaram esta terça-feira um protocolo permitindo que residentes e empresas utilizem serviços financeiros do banco estatal fora daquele território, representando mais uma medida de integração na metrópole da Grande Baía.

O protocolo, assinado pelo chefe do executivo de Macau, Chui Sai On, e o presidente do conselho de administração do Banco da China, Chen Siqing, estabelece que os residentes de Macau possam “usufruir de um tratamento equitativo em comparação com os residentes da China interior”, segundo um comunicado das autoridades do território.

Na mesma nota lê-se que os residentes e as empresas de Macau podem, apenas com o bilhete de identidade, “tratar de abertura de contas bancárias, de cartões, de registos e de transações, usufruindo de serviços financeiros rápidos para pagamentos, bem como de créditos e serviços” na china continental.

Este serviço estende-se ainda às “mais de 500 instituições do Banco da China no exterior” e para a possibilidade de pagamentos transfronteiriços para empresas do território, “abrindo canais de circulação de capitais entre Guangdong, Hong Kong, Macau e para o mundo”.

O presidente do Conselho de Administração do Banco da China sublinhou que “face à larga expansão do Banco da China nos países de língua portuguesa, o Governo poderá ainda reforçar a cooperação com estes parceiros”.

Na mesma ocasião, o chefe do executivo do território, referiu que o protocolo de cooperação “representa um importante papel para a integração de Macau no desenvolvimento da Grande Baía”, um projeto de criação de uma metrópole mundial que envolve as regiões administrativas especiais chinesas de Hong Kong, Macau e nove cidades [Cantão, Dongguan, Foshan, Huizhou, Jiangmen, Shenzhen, Zhaoqing, Zhongshan e Zhuhai] da província de Guangdong, no sul da China.

No total, nesta região habitam cerca de 70 milhões de pessoas, a qual possui um Produto Interno Bruto (PIB) que ronda os 1,3 biliões de dólares, maior que o PIB da Austrália, Indonésia e México, países que integram o G20.

O protocolo de cooperação estabelece ainda o reforço da “formação de pessoal qualificado na área financeira” e dos “serviços financeiros no âmbito da plataforma entre a China e os países de língua portuguesa“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

As eleições deviam ser uma maçada

Henrique Burnay

China, Estados Unidos, Rússia, energia, clima, banca, defesa, plataformas digitais e empregos do futuro. Pela discussão que aí vai não se nota, mas as europeias são sobre tudo isto e muito mais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)