A Coreia do Sul ganhou a corrida do primeiro país a disponibilizar o 5G comercial. A partir desta sexta-feira a infraestrutura 5G do país vai começar a funcionar e três operadoras vão começar a oferecer acesso a esta rede, avança a Reuters.

O lançamento desta nova infraestrutura de rede acontece no mesmo dia em que a Samsung, que é sul-coreana e é a maior fabricante de telemóveis no mundo, lança no país o primeiro smartphone 5G. O Galaxy S10 5G vai ser o primeiro telemóvel, e para já o único, que pode aceder a este espectro de rede. Este modelo é uma versão semelhante ao Galaxy S10+, mas com rede 5G.

O 5G é uma nova tecnologia de rede que vai permitir acesso à internet de forma mais rápida e fiável do que é possível atualmente com o 4G. Com esta nova infraestrutura de rede, que implica avultados investimentos por parte das operadoras e países, o tempo de latência nas comunicações é reduzido e é possível transferir mais dados eficientemente.

Desta forma, espera-se que o 5G vá ser disruptivo em várias indústrias. Desde operações feitas por um médico à distância até stream de vídeos mais rápidos e com melhor qualidade, várias áreas estão à espera do arranque desta tecnologia.

A SK Telecom, uma operadora sul-coreana, espera ter um milhão de pessoas a utilizar 5G até ao final de 2019. Ao todo, a empresa tem 29 milhões clientes.

Na guerra pelo 5G têm-se destacado países como a China, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul. Nos Estados Unidos, a 11 de abril, a Verizon vai também disponibilizar a tecnologia em duas cidades.

A Huawei tem estado à frente ao disponibilizar a tecnologia necessária para estas novas infraestruturas de rede, o que levou a um conflito diplomático entre os EUA e a China. Os norte-americanos têm afirmado que, com o 5G, os países que contratarem com a Huawei estão a abrir portas a problemas de segurança. A empresa chinesa nega veemente as acusações e tem celebrado na Europa várias parcerias para ser uma das fornecedoras de equipamentos de infraestruturas 5G.