Rádio Observador

Debate Quinzenal

O familygate que não foi gate e o ataque cerrado de Costa ao PSD “raivoso”

866

PSD ficou sozinho no ataque ao "familygate". Costa respondeu com um dos mais duros ataques ao PSD, a Cavaco e a Rio: estão "raivosos". E Ferro, estará com saudades da bancada?

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Podia ter sido um momento de ataque concertado ao Governo, que esteve toda a semana debaixo de fogo por causa das relações familiares no Executivo socialista e cuja primeira baixa estava bem fresca na memória, mas acabou por ser mais uma espécie de pacto de não agressão — ou não teriam todos telhados de vidro. À esquerda e à direita, (quase) ninguém ousou tocar no assunto, e António Costa tinha a estratégia bem afinada: disse que a questão era nova, nunca antes tinha sido colocada, e portanto era preciso a comissão de transparência do Parlamento pronunciar-se sobre qual o limite , e qual o critério, para as nomeações de familiares. O “elefante no meio da sala” é, afinal, para Costa “um tema sério” que deve ser esclarecido.

Já com cheiro a campanha eleitoral, o debate quinzenal desta quinta-feira ficou ainda marcado por um ataque cerrado do PS e, particularmente, de António Costa, ao PSD — que diz estar com “raiva” –, e ainda por um insólito momento em que Eduardo Ferro Rodrigues pareceu estar com saudades do lugar de deputado, tendo sido acusado de parcialidade. Se não viu o debate, eis os momentos-chave.

Relações familiares no Governo? “Telhados de vidro” ou um tema “infantil”

Foi a surpresa do debate. Numa altura em que o secretário de Estado do Ambiente tinha acabado de se demitir na sequência da notícia do Observador que dava conta de que tinha nomeado um primo para o seu gabinete, o tema demorou a ser posto em cima da mesa. Fernando Negrão, o primeiro a falar, fez uma pergunta, duas perguntas, e só à terceira puxou o assunto. Mas com pinças.

No preâmbulo, o líder parlamentar do PSD defendeu que se tinha chegado à fase “infantil” do debate sobre primos, tios e sobrinhos, e ainda ensaiou um pedido de desculpas prévio dizendo que “há respeito mútuo” entre Governo e PSD, e antecipando que Costa lhe podia atirar com o argumento de que “todos temos telhados de vidro”. Dito isto, lá fez a pergunta incómoda: “Não consegue nomear pessoas qualificadas para exercer funções nos seus gabinetes sem serem familiares?”. Foi, de facto, a única pergunta que se ouviu sobre o tema. Assunção Cristas começou a sua intervenção dizendo desde logo que ia “deixar de lado as questões da família socialista e olhar antes para o país”, e de Catarina Martins e Jerónimo de Sousa não se ouviu uma única palavra.

O desafio de Costa aos deputados

Nas sucessivas respostas que foi dando sobre o tema, o primeiro-ministro tentou sempre desvalorizar o ‘familygate’. Ridicularizando alguns casos e desmentindo outros, António Costa foi procurando esvaziar a polémica e reduzi-la a um número insignificante. Para o primeiro-ministro, só houve um caso verdadeiramente grave, que ficou resolvido em poucas horas, com a demissão tanto do Secretário de Estado do Ambiente como do primo que tinha nomeado para adjunto.

No entanto, o primeiro-ministro vê nesta polémica — que considera exagerada — uma oportunidade para se legislar sobre os critérios de nomeação e fez questão de o referir no debate quinzenal desta quinta-feira. António Costa desafiou os deputados a levarem o tema a debate e lembrou que existe uma Comissão da Transparência em funcionamento com plenas competências para legislar sobre esta matéria. “É uma questão que merece ser discutida porque nunca foi levantada anteriormente: onde se traça a fronteira?”, questionou o Chefe de Governo. Depois do desafio para se iniciar um debate sério, Costa deixou escapar uma insinuação de que os casos só têm tido tanta repercussão por questões eleitorais.

Costa e os “raivosos” do PSD. Haja campanha e sobe o tom

Era por esta razão que Fernando Negrão não queria tocar no tema dos membros da família no Governo. Ou melhor, foi por esta razão que o fez com pezinhos de lã. Costa estava preparado para o atacar, dizendo que o PSD só fala de “casos” para desviar as atenções do “sucesso da solução governativa”. E mais, dizendo que o PSD (e Cavaco Silva, que apareceu ontem ao lado de Rio na apresentação do livro de Joaquim Sarmento) está “raivoso” por causa dos sucessos alcançados.

O momento que ontem juntou Cavaco, Joaquim Sarmento (conselheiro do PSD na área das finanças públicas) e Rui Rio foi, de resto, lembrado por António Costa e pela bancada do PS várias vezes ao longo do debate. Para o PS, as propostas económicas que constam do livro de Sarmento, são a prova de que Rui Rio já tem um ante-programa eleitoral e que ele passa por aumentar o IRS para quem atualmente não paga IRS, aumentar o IVA da restauração, não reduzir o preço das propinas, não reduzir as horas de trabalho semanal na administração pública e não reduzir o preço dos passes de transportes públicos. “Estão a exprimir a raiva que a direita tem aos sucessos desta política”, disse Costa, prometendo ao PCP que iria continuar o caminho que têm percorrido para que o PSD e Cavaco possam ficar “raivosos, como merecem”.

“Vou reprimir-me”. Os comentários de Ferro Rodrigues que irritaram a direita

Um dos momentos que mais irritaram os deputados de PSD e CDS não veio de nenhuma das bancadas do hemiciclo. Veio diretamente da mesa e logo pela voz do Presidente da Assembleia da República. Quando Fernando Negrão questionou o primeiro-ministro sobre as alegadas pressões do Governo para condicionar relatório anual da OCDE, Ferro Rodrigues decidiu intervir antes de dar a palavra a António Costa.

“Vou reprimir-me porque estive muito tempo na OCDE e sei como é que estes relatórios são feitos”, disse o Presidente da Assembleia da República. O comentário não caiu bem nas bancadas de PSD e CDS, que rapidamente começaram a protestar com a intervenção. Assim que voltou a assumir a palavra, Fernando Negrão condenou a atitude e lamentou que Ferro Rodrigues não “se tivesse reprimido mais”. Uma crítica que deixou o Presidente da Assembleia da República imperturbável. “Reprimi-me bastante, bastante”, disse.

Este momento de confronto entre direita e Ferro Rodrigues não é novo nesta legislatura e voltou a repetir-se neste debate. Mas com o CDS. Depois de António Costa ter recusado responder a uma intervenção de Assunção Cristas, Ferro Rodrigues devolveu a palavra aos centristas, aceitando a recusa do primeiro-ministro em responder. “Já se percebeu que o primeiro-ministro fala quando e se bem lhe apetece na Assembleia da República. Isto é uma nova interpretação do regimento?”, questionou um visivelmente irritado Nuno Magalhães. A pergunta não teve resposta e o bate-boca ficou por aqui.

As condições do BE para haver acordo na lei de bases da saúde

Catarina Martins trouxe o tema da lei de bases da Saúde para o debate. A discussão deste diploma tem pendido nos últimos tempos para um entendimento do Governo com os partidos de esquerda. A solução não agrada a Marcelo Rebelo de Sousa, que ameaçou vetar um acordo saído diretamente do seio da ‘geringonça’, mas nem isso parece ser um obstáculo. Os limites deste eventual entendimento à esquerda são outros e a líder do Bloco de Esquerda fez questão de traçar três condições: os bloquistas pediram o fim das taxas moderadoras sobre atos médicos prescritos; o fim das PPP na Saúde; e a garantia de que o recurso a privados seja feito somente quando não há capacidade de resposta do serviço público. Se estas três condições forem aceites pelo Executivo, o apoio do Bloco de Esquerda estará garantido.

António Costa não se comprometeu. Lembrou os bons momentos da relação com o Bloco de Esquerda, atacou o PSD, mas não deixou garantias sobre o cumprimento das exigências estabelecidas por Catarina Martins.

Centeno também é recordista da carga fiscal? Cristas insiste, Costa resiste

Cristas não queria falar do “familygate” e falou antes de um dos temas que não tem largado: a carga fiscal que é agora a “mais alta de sempre”. “Nunca o Estado se apropriou tanto do esforço das famílias e empresas. Agora, é preciso trabalhar mais 5 dias para pagar ao fisco. É quase metade do ano para pagar os impostos”, disse. Mas Costa respondeu o que responde sempre que a questão se coloca: a carga fiscal só subiu porque a economia cresceu e gerou mais receita.

Ou seja, explicou Costa, não é preciso trabalhar o equivalente a mais 5 dias para pagar ao fisco, mas é sim preciso trabalhar mais 91 milhões de dias, que é o número equivalente às pessoas que estavam no desemprego e que agora passaram a estar empregadas. Quem tem razão? Em sua defesa, Cristas ainda atirou com uma frase do próprio Mário Centeno, que em 2016 disse que no ano seguinte o mais importante era conseguir uma redução da carga fiscal, que isso era “o mais importante do ponto de vista macroeconómico”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)