Governo

Desinformação está a tornar-se cada vez mais complexa, diz Ana Paula Zacarias

368

"O combate à desinformação é um trabalho de todos", sublinha a secretária de Estado dos Assuntos Europeus. Ana Paula Zacarias alerta para o perigo das redes sociais e frisa que é essencial regulá-las.

Reunião com o Governo dia 23 de abril visa encontrar o melhor método de governação para a desinformação

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, considerou esta segunda-feira que a desinformação está a tornar-se cada vez mais complexa, na sequência das alterações tecnológicas, defendendo a discussão da regulação das redes sociais.

“Isto vai ter implicações na forma como legislamos, vai ter importância como as plataformas se vão autorregular”, disse Ana Paula Zacarias, no encerramento da conferência “Informação e Desinformação na Era Digital”, na Assembleia da República, em Lisboa.

Para a secretária da Estado, é fundamental que se discutam problemas como a desinformação. “Estamos perante situações de grande complexidade e, por isso, é fundamental que se debatam estas coisas”, afirmou Ana Paula Zacarias, realçando que a desinformação é perigosa, podendo desencadear uma guerra a partir de uma tecnologia simples, como acontece com um qualquer movimento político.

“Imaginem o que pode um qualquer jovem adolescente, daqui uns dias, fazer a um líder político. Dizer o que ele acha, qualquer coisa. Pode declarar guerra nuclear à Rússia [por exemplo]. Um jovem no seu quarto com uma tecnologia que é mais fácil utilizar”, realçou.

Ana Paula Zacarias considerou também que o combate à desinformação é trabalho de todas entidades, quer públicas ou privadas. “O combate à desinformação é um trabalho de todos”, afirmou, reconhecendo que deve ser feito pelo parlamento, pelo Governo e pelo setor privado.

A secretária de Estado informou ainda que vai haver uma reunião no dia 23 de abril, com o Governo, para discutir esta matéria e encontrar o melhor método de governação para a desinformação.

As fake news, comummente conhecidas por notícias falsas, desinformação ou informação propositadamente falsificada com fins políticos ou outros, ganharam importância nas presidenciais dos Estados Unidos da América que elegeram Donald Trump, no referendo sobre o Brexit no Reino Unido e nas presidenciais no Brasil, ganhas pelo candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro.

O Parlamento Europeu quer tentar travar este fenómeno nas Europeias de maio e, em 25 de outubro de 2018, aprovou uma resolução na qual defende medidas para reforçar a proteção dos dados pessoais nas redes sociais e combater a manipulação das eleições, após o escândalo do abuso de dados pessoais de milhões de cidadãos europeus.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)