França

“Nossa Senhora de Paris”: o poema de Mário de Sá-Carneiro sobre Notre Dame

243

"Nossa Senhora de Paris" faz parte do livro Indícios de Oiro, que reune poemas de Mário de Sá-Carneiro. Paris sempre foi uma cidade amada pelo poeta e à qual dedicou muitas passagens da sua obra.

Esta segunda-feira, parte da catedral de Notre Dame, em Paris, ardeu

Wikimedia Commons

O mundo parou esta segunda-feira quando parte da Catedral de Notre Dame, em Paris, ardeu. A estrutura do monumento salvou-se, as principais obras de arte também e a catedral será reconstruída, mas o sentimento de angústia com o que aconteceu ainda permanece. 106 anos antes, Mário de Sá-Carneiro (1890-1916) escreveu sobre este monumento com 856 anos de história, que sobreviveu a duas guerras mundiais e à Revolução Francesa.

“Nossa Senhora de Paris” foi publicado pela primeira vez no primeiro número da revista Orpheu, em 1915. É o quarto poema da secção “Para os Indícios de Oiro“, livro que só seria editado em 1937, depois da morte do poeta, pela editora Presença. A última referência a “Nossa Senhora de Paris” aparece, de acordo com a edição crítica de Ricardo Vasconcelos, numa carta enviada por Sá-Carneiro a Fernando Pessoa a 13 de janeiro de 1916, na qual o escritor conta que, no domingo anterior, um amigo tinha teimado em declamar uma tradução para o francês do poema.

Mário Sá-Carneiro morreu a 26 de abril de 1916, em Paris, a cidade que tanto amava e à qual dedicou muitas passagens da sua obra.

No poema citado abaixo, o sujeito poético fala nos “altares e velas”, nas “vitrais” da catedral, bem como das “manchas de cores a ogivarem-se” e das “grandes naves” do edifício.

Listas de som avançam para mim a fustigar-me
Em luz.
Todo a vibrar, quero fugir.. Onde acoitar-me?
Os braços duma cruz.
Anseiam-se-me, e eu fujo também ao luar…

Um cheiro a maresia
Vem-me refrescar,
Longínqua melodia
Toda saudosa a Mar…
Mirtos e tamarindos
Odoram a lonjura;
Resvalam sonhos lindos…
Mas o Oiro não perdura
E a noite cresce agora a desabar catedrais…
Fico sepulto sob círios —
Escureço-me em delírios,
Mas ressurjo de Ideais…

– Os meus sentidos a escoarem-se…
Altares e velas…
Orgulho… Estrelas…
Vitrais! Vitrais!

Flores de liz…

Manchas de côr a ogivarem-se…
As grandes naves a sagrarem-se…
– Nossa Senhora de Paris!…

O incêndio, que deflagrou por volta das 18h50 (17h50 em Lisboa), consumiu dois terços do topo da catedral de Notre Dame, ainda que o Presidente francês tenha dito que “o pior foi evitado”. A torre central e o teto sucumbiram totalmente às chamas, que chegaram a ameaçar a torre norte. Mas as duas torres do edifício foram poupadas e a estrutura, o altar, a cruz de Cristo e as relíquias não terão sido destruídos.

[Cinzas, silêncio e um enorme buraco no teto. O que resta no interior de Notre Dame]

Artigo atualizado às 19h14 com mais informações sobre a publicação de “Nossa Senhora de Paris”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Rebeldes, separatistas e equívocos

Diogo Noivo

Para precaver reincidências, importa chamar as coisas pelos nomes. No referente à ETA, as palavras “rebeldes” e “separatistas” são equívocos que devem ser evitados, pois foi uma organização terrorista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)