Rádio Observador

França

“Nossa Senhora de Paris”: o poema de Mário de Sá-Carneiro sobre Notre Dame

243

"Nossa Senhora de Paris" faz parte do livro Indícios de Oiro, que reune poemas de Mário de Sá-Carneiro. Paris sempre foi uma cidade amada pelo poeta e à qual dedicou muitas passagens da sua obra.

Esta segunda-feira, parte da catedral de Notre Dame, em Paris, ardeu

Wikimedia Commons

O mundo parou esta segunda-feira quando parte da Catedral de Notre Dame, em Paris, ardeu. A estrutura do monumento salvou-se, as principais obras de arte também e a catedral será reconstruída, mas o sentimento de angústia com o que aconteceu ainda permanece. 106 anos antes, Mário de Sá-Carneiro (1890-1916) escreveu sobre este monumento com 856 anos de história, que sobreviveu a duas guerras mundiais e à Revolução Francesa.

“Nossa Senhora de Paris” foi publicado pela primeira vez no primeiro número da revista Orpheu, em 1915. É o quarto poema da secção “Para os Indícios de Oiro“, livro que só seria editado em 1937, depois da morte do poeta, pela editora Presença. A última referência a “Nossa Senhora de Paris” aparece, de acordo com a edição crítica de Ricardo Vasconcelos, numa carta enviada por Sá-Carneiro a Fernando Pessoa a 13 de janeiro de 1916, na qual o escritor conta que, no domingo anterior, um amigo tinha teimado em declamar uma tradução para o francês do poema.

Mário Sá-Carneiro morreu a 26 de abril de 1916, em Paris, a cidade que tanto amava e à qual dedicou muitas passagens da sua obra.

No poema citado abaixo, o sujeito poético fala nos “altares e velas”, nas “vitrais” da catedral, bem como das “manchas de cores a ogivarem-se” e das “grandes naves” do edifício.

Listas de som avançam para mim a fustigar-me
Em luz.
Todo a vibrar, quero fugir.. Onde acoitar-me?
Os braços duma cruz.
Anseiam-se-me, e eu fujo também ao luar…

Um cheiro a maresia
Vem-me refrescar,
Longínqua melodia
Toda saudosa a Mar…
Mirtos e tamarindos
Odoram a lonjura;
Resvalam sonhos lindos…
Mas o Oiro não perdura
E a noite cresce agora a desabar catedrais…
Fico sepulto sob círios —
Escureço-me em delírios,
Mas ressurjo de Ideais…

– Os meus sentidos a escoarem-se…
Altares e velas…
Orgulho… Estrelas…
Vitrais! Vitrais!

Flores de liz…

Manchas de côr a ogivarem-se…
As grandes naves a sagrarem-se…
– Nossa Senhora de Paris!…

O incêndio, que deflagrou por volta das 18h50 (17h50 em Lisboa), consumiu dois terços do topo da catedral de Notre Dame, ainda que o Presidente francês tenha dito que “o pior foi evitado”. A torre central e o teto sucumbiram totalmente às chamas, que chegaram a ameaçar a torre norte. Mas as duas torres do edifício foram poupadas e a estrutura, o altar, a cruz de Cristo e as relíquias não terão sido destruídos.

[Cinzas, silêncio e um enorme buraco no teto. O que resta no interior de Notre Dame]

Artigo atualizado às 19h14 com mais informações sobre a publicação de “Nossa Senhora de Paris”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)