Rádio Observador

Salário Mínimo Nacional

União de Sindicatos de Angra do Heroísmo quer salário mínimo nos 850 euros até 2023

O coordenador da USAH vai reivindicar, no Dia do Trabalhador, o ordenado mínimo de 850 euros até 2023. Vítor Silva também alertou para a necessidade de lutar pela progressão nas carreiras.

Vítor Silva admitiu que a luta pelos direitos laborais se torna "mais difícil", mas considerou que "a situação está a chegar a um limite que obriga a que as pessoas reajam"

EPA

O coordenador da União de Sindicatos de Angra do Heroísmo (USAH) defendeu esta segunda-feira que o salário mínimo nos Açores deve atingir os 850 euros, dentro de três a quatro anos, e vai reivindicá-lo no 1.º de maio.

“Consideramos que, no imediato, o salário mínimo devia ser 650 euros na região, para trabalharmos de forma a nos próximos três ou quatro anos chegarmos àquele que é o salário que a CGTP considera justo, que são 850 euros”, afirmou o coordenador da USAH, Vítor Silva, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo.

A união de sindicatos, afeta à CGTP, vai assinalar o 1.º de maio em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, com um concurso de maios e ações de sensibilização sobre os direitos dos trabalhadores.

Segundo Vítor Silva, as principais reivindicações dos trabalhadores açorianos são o aumento dos salários e o combate à precariedade, que é superior na região.

“A média nacional já é extremamente elevada, mas nos Açores é ainda mais elevada. Está na ordem dos 90%. Em cada 10 contratos, apenas um não é precário”, frisou.

O fenómeno tem provocado um aumento de casos de assédio, que a união de sindicatos promete denunciar nos próximos tempos.

“Quem é precário já está numa situação extremamente difícil e é confrontado todos os dias com uma série de pressões inaceitáveis”, salientou o dirigente sindical, acrescentando que a precariedade coloca também pressões sobre quem tem um contrato efetivo.

Perante este cenário, Vítor Silva admitiu que a luta pelos direitos laborais se torna “mais difícil”, mas considerou que “a situação está a chegar a um limite que obriga a que as pessoas reajam”, esperando uma participação elevada nas comemorações do 1.º de maio.

O sindicalista considerou que o “combate sério e real da precariedade” nos setores público e privado é essencial para estagnar o despovoamento das ilhas mais pequenas.

“Não há nenhum jovem que possa construir um projeto de vida quando não sabe o que vai acontecer no dia de amanhã. Não podemos ter um tipo de trabalho à custa de programas [ocupacionais], em que a mão de obra não é compensada por aquilo que faz”, sustentou.

Além do aumento do salário mínimo, Vítor Silva alertou para a necessidade de se lutar pela progressão nas carreiras, com efeitos nos vencimentos, alegando que não há uma “valorização do trabalho e da experiência já adquirida”.

O que nós verificamos neste momento é que num local de trabalho, todos os trabalhadores, praticamente, quando chegam ao final do mês ganham 630 euros, que é o salário mínimo. Não é tida em conta nem a experiência que o trabalhador tem, nem a qualificação, nem os anos de casa, nem o posto”, afirmou.

No Dia do Trabalhador, a União de Sindicatos de Angra do Heroísmo, que representa trabalhadores das ilhas Terceira, São Jorge e Graciosa, vai reivindicar também o alargamento da aplicação de 35 horas de trabalho semanais, sem redução de salário, ao setor privado, e o fim do recurso a bancos de horas.

Por outro lado, vai manifestar-se contra a proposta de lei laboral do Governo da República, exigindo “o fim da norma da caducidade da contratação coletiva e a reintrodução do princípio de tratamento mais favorável”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)