Já não vão ser pintadas duas passadeiras com as cores do arco-íris na Avenida Almirante Reis em Lisboa noticiou o jornal i e confirmou o Observador junto da presidente da Junta de Freguesia de Arroios. A razão é simples: a medida é ilegal.

A proposta, aprovada pela Junta, foi apresentada por dois representantes do CDS-PP na Assembleia de Freguesia de Arroios para assinalar o Dia Internacional de Luta contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia. Depois da polémica suscitada com a medida,  Margarida Martins admitiu esta quinta-feira ao Observador que não pode ser feita uma passadeira colorida: “É ilegal. Não podemos”. As sinalizações rodoviárias, por lei, têm de estar pintadas de branco, explicou a autarca socialista.

Este foi, aliás, um dos argumentos utilizados por Pedro Pestana Bastos, conselheiro nacional do CDS, um dos primeiros centristas a manifestarem-se contra a medida que dividiu o partido.

Proposta para passadeiras arco-íris em Lisboa para homenagear comunidade LGBTI divide CDS

Quando a proposta foi aprovada por unanimidade na reunião da Assembleia de Freguesia de Arroios de segunda-feira, “não se pensou no assunto”, confessou Margarida Martins. Em substituição, vai ser criada uma medida de sensibilização no mesmo local, cujos moldes ainda estão por definir: “Estamos a falar com todas as entidades para chegar a um consenso”.

Margarida Martins defendeu o caráter simbólico das passadeiras arco-íris, e não valoriza as críticas: “É uma polémica fora do seu tempo. Há polémica por uma passadeira quando nós vamos ter um centro LGBT e um centro da diversidade? Quando o próprio CDS aprovou o centro LGBT?”. Mais, a socialista rejeitou as acusações de gasto excessivo de fundos públicos com a iniciativa: “Se isto fosse desperdício então não se fazia nada na cidade por causa nenhuma“.

COMUNICADO e ESCLARECIMENTOTendo em conta as perguntas sobre uma das recomendações, sem carácter vinculativo,…

Posted by CDS Arroios on Wednesday, May 1, 2019

A iniciativa gerou críticas no seio do partido, que fizeram com que o CDS de Arroios se justificasse duas vezes no Facebook. Numa primeira publicação afirmou que “confundir a afirmação da não discriminação de pessoas com a defesa de uma ideologia de género é característico de alguma Esquerda”, com a qual não pactua e na qual não se revê.

Com os comentários negativos a aumentarem, e o desconforto dentro do partido a crescer, o CDS local sentiu necessidade de fazer uma segunda publicação na quarta-feira em que rejeitava “em absoluto qualquer tentativa de colagem a uma posição oficial do CDS em Lisboa ou Nacional” e sublinhou que a recomendação “foi mal compreendida, já que foi alvo de uma colagem à ideologia de género” que nada tinha a ver com a ideia original.