Rádio Observador

Caso Maddie

Caso Maddie: Polícia Judiciária terá novas pistas e novo suspeito

242

As informações ainda estão mantidas em grande sigilo, mas o Correio da Manhã diz já ter a confirmação de que a investigação ganhou novo fôlego e terá uma equipa maior.

Doze anos depois do desaparecimento de Madeleine McCann, a rapariga inglesa de três anos que na noite de 3 de maio de 2007 desapareceu em Lagos, junto à Praia da Luz, surgem possíveis desenvolvimentos. Segundo notícia avançada nesta sexta-feira pelo Correio da Manhã, a Polícia Judiciária portuguesa terá novas pistas e até um novo suspeito.

“Maddie”, como ficou conhecida, passava férias com os país — Kate e Gerry McCann — e os irmãos gémeos quando foi dada como desaparecida e deu origem a um dos casos mais mediáticos dos últimos anos, envolvendo inúmeros esforços policiais em Portugal, Reino Unido e um pouco por todo o mundo. Todo este processo que ainda continua por resolver foi agora enviado para a PJ do Porto para ser reapreciado, conta o CM. E passa a estar alocado a uma equipa mais vasta.

Apesar de ainda não se saberem pormenores — a identidade do novo suspeito, por exemplo, está a ser mantida em silêncio absoluto — avança-se a hipótese de esta nova linha da investigação não contemplar os pais da criança — que chegaram a ser constituídos arguidos no início do caso — como suspeitos. Até o Ministério Público já admitiu que esta nova vaga na investigação promete ser conclusiva.

Depois de a notícia ter sido divulgada, a PJ enviou um comunicado às redações onde não confirma nem desmente as informações avançadas esta sexta-feira mas explica que a investigação “continua em aberto, no âmbito de inquérito tutelado pelo Ministério Público de Portimão” e que a mesma tem sido “desenvolvida em articulação com autoridades internacionais, obedecendo às regras de cooperação judiciária e policial, que as circunstâncias da situação justificam”. Termina anunciando que “não considera oportuna a prestação de esclarecimentos adicionais.”

Uma investigação cheia de avanços e recuos

Madeleine McCann desapareceu do aldeamento onde estava alojada com a família, de férias no Algarve desde o dia 28 de abril desse ano. Estava no quarto, à noite, juntamente com os irmãos gémeos de 18 meses, enquanto os país e um grupo de amigos jantavam num restaurante a 50 metros. Foi por volta das 22h do dia 3 de maio que Kate deu o alarme e logo a partir daí a notícia “explodiu” pelo mundo inteiro.

Chegou-se a suspeitar de um cenário de crime acidental com o envolvimento dos pais, cenário que acabou por ser descartado oficialmente e passou a explorar-se a hipótese de rapto — o britânico Robert Murat foi um dos fortes suspeitos.

Hoje, depois de vários anos sem serem conhecidas diligências policiais, a PJ volta a apostar no caso e admite estar mais perto de saber o que aconteceu a Maddie. Independentemente do motivo do seu desaparecimento, a verdade é que as autoridades têm muitas dúvidas que a criança ainda esteja viva. Se o estiver, terá 15 anos.

Atualizado às 13h20 com o comunicado da PJ

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)