Gonçalo Amaral foi condenado a pagar 500 mil euros ao casal McCann. A decisão do Tribunal Cível de Lisboa foi conhecida esta terça-feira e proíbe ainda o ex-inspetor da Polícia Judiciária de continuar a vender o livro sobre o desaparecimento de Madeleine McCann.

De acordo com a SIC Notícias, a decisão judicial, tomada na sequência de um processo por danos morais iniciado pelos pais de Maddie, vai obrigar também a editora a devolver os exemplares existentes do livro Maddie: A Verdade da Mentira. A produtora Valentim de Carvalho, que reproduziu um documentário baseado no livro, também fica proibida de continuar a vender cópias do filme.

À saída do tribunal, Gerry McCann, ao lado da mulher Kate, falou à comunicação social. Manifestou a sua alegria pelo veredito.

“Esperamos ter conseguido fazer Justiça para a Madeleine e para o resto da família. Obvio que os gémeos estão bem, mas vão para a escola e ouvem coisas, ouvem a rádio e perguntam-nos se batemos na Madeleine (…) Houve consequências, mas cremos que a maior parte das pessoas vão olhar para a investigação e vão ver o que se passou. Não sabemos se a Madeleine está viva ou morta, mas não há provas de que esteja morta. É uma criança desaparecida!”, disse Gerry.

Madeleine McCann desapareceu a em maio de 2007 no aldeamento turístico da Praia da Luz, no Algarve. O livro do ex-inspetor da Polícia Judiciária defende que a criança morreu no Algarve e responsabiliza os pais.