Rádio Observador

Eleições Europeias

André Ventura coloca lugar à disposição no Basta por faltar a debate, mas parceiros de coligação aguentam líder

2.497

O cabeça de lista do Basta pôs o lugar à disposição. Líderes da coligação votam na noite desta terça-feira. Mas já se sabe que todos os partidos estão pela permanência e aguentam Ventura.

André Ventura lidera a lida do Basta para as eleições europeias

Carlos Manuel Martins/Global Imagens

André Ventura está disposto a abandonar a lista do Basta às eleições europeias após receber protestos de “centenas de apoiantes e alguns financiadores” descontentes por Ventura ter faltado a uma debate na RTP para fazer comentário desportivo na CMTV, na passada segunda feira.

Vou colocar o lugar à disposição da coligação“, afirmou André Ventura ao Observador, indicando que se os apoiantes “acharem que foi errado, o segundo lugar [Gonçalo da Câmara Pereira] será o cabeça de lista”. Serão os líderes dos restantes membros da coligação — o Partido Popular Monárquico (PPM), o Partido Cidadania e Democracia Cristã (PPV/CDC) e o movimento Democracia 21 — a decidir pela manutenção ou saída de André Ventura.

A reunião está prevista para a noite desta terça-feira, mas o Observador sabe que todos os três membros da coligação vão votar pela permanência de André Ventura. A maioria chegará para se manter o cabeça de lista.

“Custou-me bastante o que aconteceu ontem porque mais não fiz do que obedecer a um compromisso profissional que tinha, sendo a RTP completamente inflexível e impedindo a minha substituição”, indica o líder do Basta, que considera que fez a escolha certa.

O possível abandono do Basta não coloca em causa a liderança do Chega, indicou ainda André Ventura, que se vai candidatar à presidência do partido no primeiro congresso: “A situação só se coloca se também os militantes do Chega considerarem que isto me inviabiliza como presidente”.

Apesar de estar previsto na lei eleitoral que “os órgãos de comunicação social que integrem candidatos ao ato eleitoral como colaboradores regulares (…) devem suspender essa participação e colaboração durante o período da campanha eleitoral e até ao encerramento da votação”, André Ventura continua a ser comentador da CMTV.

“Na minha interpretação, as minhas funções como comentador desportivo e de justiça não colidem com as minhas funções políticas”, justifica André Ventura, continuando: “Se eu não puder manter a minha atividade profissional durante o período de campanha, eu vivo do quê? Acho até inconstitucional privar alguém de rendimentos por participar num ato eleitoral.

Democracia 21, PPV/CDC e PPM vão manter apoio a André Ventura

“Em situações deste género o meu voto é sempre favorável a que se cumpram compromissos prévios”, declarou a fundadora do Democracia 21, Sofia Afonso Ferreira, ao Observador, indicando que vai votar na reunião desta terça-feira pela manutenção de André Ventura na liderança do Basta.

Manuel Matias, representando o Partido Cidadania e Democracia Cristã garantiu também o voto favorável à permanência de Ventura: “Não há nenhuma razão para que o André não seja cabeça de lista. O PPV está tranquilo, sereno e compreende a posição do André”.

“É uma não questão. O cabeça de lista do PPM é o André Ventura e continuará a ser”, reforça Gonçalo da Câmara Pereira, em declarações ao Observador. O líder do Partido Popular Monárquico promete também que o PPM manterá o apoio a André Ventura.

“A RTP não esteve bem e agora quer criar mais um caso em volta do André Ventura e da coligação Basta”, acrescenta, concluindo que “quando a poeira assentar o povo português perceberá que era só uma polémica e que há valores mais altos numa campanha eleitoral”.

Segundo Sofia Afonso Ferreira “a RTP tinha marcado o debate para as 21h00”, o que permitiria a André Ventura comparecer em ambos os programas televisivos — até porque, de acordo com a mesma, o Correio da Manhã disponibilizou um motorista para transportar o candidato de um estúdio para outro — mas “a RTP trocou a hora do debate à última da hora sem ter nada disto em conta”.

Mais a líder do Democracia 21 repete outra das queixas apresentadas por André Ventura: “Não deixaram que outro membro da lista o substituísse, apesar de estarmos numa coligação em que temos quatro líderes habilitados a falar”.

“Foi uma tomada de posição”, conclui Gonçalo da Câmara Pereira, continuando: “O serviço público de televisão não representa os portugueses. Passam os cargos de pais para filhos, de tios para sobrinhos e depois criticam-me a mim por ser monárquico“.

**Notícia atualizada às 19h03 de 14 de maio de 2019 com as declarações de Gonçalo da Câmara Pereira**

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)