Rádio Observador

Discriminação

ILGA: Clima social em Portugal ainda é homofóbico e transfóbico

481

A 17 de maio assinala-se o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia e de acordo com o ILGA, “o clima social em Portugal ainda é homofóbico e transfóbico”.

As denúncias às autoridades continuam a ser residuais, comparativamente às que a própria ILGA recebe, as pessoas “muitas vezes não denunciam por questões que lhes escapam a si próprias, porque esse é o ‘status quo’ em termos de perceção social”.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Portugal mantém um clima social homofóbico e transfóbico, denunciou esta quinta-feira a ILGA Portugal, segundo a qual o país precisa de outra lei antidiscriminação, recolha de dados oficiais, outro sistema de registo de denúncias e formação para os funcionários públicos.

Em 17 de maio assinala-se o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia, data que a ILGA (Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo) aproveita para divulgar o segundo relatório de acompanhamento à recomendação do Conselho da Europa para a adoção de medidas de combate à discriminação em razão da orientação sexual ou da identidade de género.

A recomendação é de 2010 e o primeiro relatório de 2012. Passados sete anos, a ILGA reconhece que a realidade dos direitos das pessoas LGBTI (Lésbicas, Gay, Bissexuais, Trans e Intersexo) melhorou em Portugal, mas as sugestões feitas na altura continuam a ser as mesmas de agora, já que neste período não foram acatadas.

Em declarações à agência Lusa, Marta Ramos, da direção da ILGA, salientou que “houve de facto mudanças no terreno, mas não houve mudanças ao nível das políticas públicas”, um facto que considerou “preocupante”.

De acordo com o relatório da ILGA, “o clima social em Portugal ainda é homofóbico e transfóbico”, destacando que não é feita qualquer avaliação do impacto da legislação na comunidade LGBTI, além de que Portugal não faz recolha de dados sobre as experiências destas pessoas, nomeadamente crimes, apesar das “reivindicações constantes” de várias organizações.

Para a responsável da ILGA, esse clima homofóbico é facilmente percetível nos resultados anuais do Observatório da Discriminação e através do qual a organização não-governamental recolhe dados sobre incidentes contra pessoas LGBTI.

Marta Ramos referiu que as denúncias às autoridades continuam a ser residuais, comparativamente às que a própria ILGA recebe, explicando que as pessoas “muitas vezes não denunciam por questões que lhes escapam a si próprias, porque esse é o ‘status quo’ em termos de perceção social”.

Por outro lado, criticou que as políticas públicas não tenham “um contexto de continuidade”, ou seja, a sua aplicação “depende muito do entendimento daquele ou daquela profissional que estarão na altura à frente daquele serviço”.

Em matéria de recomendações, Marta Ramos referiu que continuam a ser as mesmas do primeiro relatório, uma das quais é a criação de uma lei antidiscriminação que compreenda todas as áreas da discriminação.

“As pessoas não são exclusivamente LGBTI. Também são pessoas de determinada etnia, também são pessoas de fé, com deficiência e, portanto, é na discriminação múltipla que nós continuamos a falhar a proteção enquanto Estado”, assinalou, acrescentando que falta legislação no que diz respeito à discriminação no acesso a bens e serviços.

A ILGA recomenda também uma revisão ao artigo 13.º da Constituição – Princípio da Igualdade – porque só prevê de forma explícita a questão da orientação sexual e a associação entende que deve igualmente estar explícita a identidade de género, expressão de género e as características sexuais.

Pede também uma harmonização da legislação avulsa, para que todas as características identitárias estejam previstas em toda a legislação, a recolha de dados estatísticos oficiais e a formação específica para os profissionais que trabalham nesta área.

Por outro lado, a ILGA sugere a criação de serviços públicos específicos para analisar e resolver casos de discriminação, bem como a formação sobre direitos humanos e direitos relacionados com as características sexuais aos funcionários públicos.

Marta Ramos adiantou que o relatório vai agora ser enviado ao Governo e a alguns organismos públicos, e disse ter a convicção de que algumas das recomendações venham a ser acatadas, já que “não faz sentido que numa segunda exortação de ação elas não sejam acolhidas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Discriminação

A Universidade e a raça

Ricardo Cabral
643

É pena ver parte dos políticos a não abordar os assuntos raciais com a maturidade necessária. É triste saber que Portugal é governado por quem desconhece a verdadeira e diversa realidade portuguesa.

Polémica

Os inassimiláveis

Pedro Picoito
303

É quando a “Cristandade” começa a desintegrar-se, acompanhando a homogeneização cultural imposta por Estados cada vez mais centralizados, que Portugal e Espanha expulsam as suas populações não cristãs

Discriminação

A pobreza é um problema, a cor da pele não

João Pedro Marques
576

A pobreza é um problema, um gigantesco e injustíssimo problema, e do que precisamos é de melhorar a vida de todos os pobres e não de quotas ou outras formas de “discriminação positiva” só para alguns.

Discriminação

Apartheid chegou a Portugal?

António Maria Saldanha
2.993

Quotas raciais são um retrocesso civilizacional. Relembram-nos regimes racistas onde seres humanos eram tratados de forma diferente pela cor da pele e não favorecerão a resolução de problemas sociais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)