Estados Unidos da América

Trump nega encobrimento de factos na investigação do caso da interferência russa

Nancy Pelosi acusou Trump de estar a encobrir factos na investigação sobre a interferência russa nas presidenciais americanas de 2016. Trump diz que acusação foi "terrível".

Devido à acusação, Donald Trump interrompeu uma reunião na Casa Branca

ERIK S. LESSER/EPA

O Presidente dos EUA, Donald Trump, negou esta quarta-feira estar a obstruir a investigação ao caso russo, depois de o Partido Democrata o ter acusado de estar a encobrir factos do processo sobre a interferência nas eleições presidenciais de 2016.

A líder da Câmara dos Representantes, a Democrata Nancy Pelosi, tinha acusado esta quarta-feira Donald Trump de estar a encobrir factos na investigação do caso russo, acrescentando que o seu partido estava a estudar a possibilidade de iniciar um processo de destituição do Presidente norte-americano.

“Consideramos que é importante seguir os factos. Acreditamos que ninguém está acima da lei, incluindo o Presidente dos Estados Unidos, e acreditamos que o Presidente dos Estados Unidos está envolvido num encobrimento”, disse Pelosi. “Eu não estou a encobrir nada!”, respondeu, horas depois, Donald Trump.

O Presidente interrompeu uma reunião na Casa Branca, com líderes parlamentares do Partido Democrata, para criticar Nancy Pelosi por o estar a acusar de obstrução à justiça, pedindo aos Democratas para “acabar com estas falsas investigações”.

O Presidente dos EUA disse mesmo que não voltará a discutir questões políticas com os Democratas enquanto eles insistirem nas investigações. “A líder parlamentar Pelosi disse uma coisa terrível hoje, acusando-me de encobrimento”, afirmou Donald Trump, segundo a dirigente Democrata, para justificar o fim abrupto da reunião em que iriam negociar legislação sobre infraestruturas.

Horas antes deste episódio, Pelosi tinha dito que Donald Trump estava a obstaculizar a investigação sobre a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016, reportada no relatório do procurador-especial Robert Mueller.

Pelosi referia-se ao facto de a Casa Branca estar a impedir a prestação de depoimentos no Congresso por parte de assessores do Presidente que colaboraram na investigação de Robert Mueller, invocando a figura de “privilégio presidencial”.

Essas decisões levaram vários legisladores do Partido Democrata a considerarem a hipótese de iniciar um processo de ‘impeachment’ contra Donald Trump, acusando-o de encobrimento de factos relevantes para a investigação do caso russo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)