A Opel acaba de libertar as primeiras imagens oficiais do novo Corsa. Opta por fazê-lo logo com a maior novidade, a variante puramente eléctrica, o Corsa-e, mas esta pouco diferirá das versões animadas por motores a gasolina ou diesel.

A sexta geração do utilitário alemão só será plenamente desvendada no início de Junho, mas há já uma série de dados que podemos avançar e que complementam as fotos agora divulgadas pela marca. Trocando a antiga plataforma da General Motors pela nova arquitectura CMP da PSA, o novo Corsa preserva os traços estilísticos que fazem parte da identidade da marca, mas consegue dar, simultaneamente, uma enorme lufada de ar fresco ao design da Opel. O utilitário germânico, que já vendeu mais de 13,6 milhões de unidades desde que foi introduzido no mercado em 1982, aposta agora numa imagem muito mais apelativa e jovial. Parecendo ligeiramente mais baixo do que o novo Peugeot 208 (o que ainda teremos de confirmar), o novo Corsa cativa por uma estética mais moderna, graças (sobretudo) à exploração do contraste entre as cores da carroçaria e do tejadilho, que nesta versão se apresenta no mesmo tom dos espelhos retrovisores exteriores e do pilar A. Já dimensão do pilar C, muito largo, é realçada por um limitador a fazer a separação entre o laranja da carroçaria e o negro do tejadilho.

Depois do Astra e do Insignia, também o Corsa recebe faróis de matriz de LED

À frente, o destaque vai para novos faróis de matriz de LED – uma estreia no segmento B – e para a grelha que passa a adoptar um formato hexagonal. Enquanto isso, o pára-choques é emoldurado lateralmente pelos faróis de nevoeiro, com uma grelha estilizada a cobrir a parte inferior. Atrás, os feixes de LED desenham o tradicional bumerangue, enquanto as ópticas escurecidas conferem um toque de distinção ao novo Corsa.

O interior acompanha a evolução do exterior. Como seria de esperar, deita mão a soluções da PSA, sendo de destacar ao centro um ecrã, de 7 ou 10 polegadas, a servir de porta de entrada para o sistema de infoentretenimento, estando ligeiramente orientado para o condutor e enquadrado num tablier completamente redesenhado.

O Corsa-e, à semelhança do que acontece no e-208, vai contar com um motor de 136 cv (100 kW e 260 Nm de binário imediato), alimentado por um pack de baterias de 50 kWh, que pode obter 80% da carga em apenas 30 minutos. É expectável que o Corsa-e, tal como o e-208, ofereça três modos de condução, que farão variar a autonomia. Contudo, os alemães são mais conservadores do que os franceses, apontando para uma autonomia de 330 km, menos 10 que o Peugeot.

Maior que o modelo que vem substituir (4,06 metros de comprimento contra os actuais 4,02), o novo Corsa oferece mais espaço na bagageira para arrumar as tralhas (a capacidade salta de 285 para 309 litros) e vê também a distância entre eixos crescer 28 mm, para os 2,54 m, o que nos permite antever melhorias na habitabilidade. A linha do tejadilho persegue um estilo coupé, pelo que baixa 48 mm. No entanto, a marca garante que isso não compromete o espaço disponível para a cabeça, tanto mais que o condutor assume uma posição de condução 28 mm mais abaixo.

As encomendas do novo Corsa arrancam em Julho, para a variante puramente eléctrica, e pouco depois para as versões animadas pelos motores a combustão PSA, a gasolina e diesel, com potências entre os 75 e os 130 cv. Os blocos térmicos serão os primeiros a chegar aos clientes, estando as entregas previstas para o Outono (os franceses adiantam que será em Novembro), enquanto o Corsa-e está programado para o início de 2020.