Rádio Observador

Imigrantes

Especialista defende plano de atração de imigrantes para repovoar interior

1.863

Especialista em Geografia e Direito Luiz Ugeda considera que Portugal devia combater crise demográfica e desertificação do interior com plano de atração de imigrantes de países como o Brasil.

Despovoamento do interior é problema que autoridades podem combater, diz Ugeda

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um especialista em Geografia e Direito defendeu este sábado que Portugal tem de conjugar políticas públicas de ordenamento do território com medidas de apoio à fixação de imigrantes para repovoar o interior português.

Luiz Ugeda, doutorado em Geografia e formado em Direito no Brasil, está a desenvolver na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra um outro doutoramento na área do ordenamento, procurando sinalizar como melhor distribuir recursos escassos, como a demografia, pelo território português, recapacitar o interior para absorver mão de obra e reverter o fluxo demográfico para as grandes cidades.

Para Luiz Ugeda, Portugal não vai conseguir atrair habitantes para o interior sem atrair novas pessoas para o país, pelo que uma solução para repovoar o interior de Portugal — atualmente a enfrentar uma grave crise demográfica — poderá ser a criação de políticas migratórias, aproveitando os emigrantes da América do Sul, especialmente brasileiros e venezuelanos, que, por diversas razões, pretendem imigrar para Portugal.

“Hoje existe uma imigração de brasileiros qualificada. Não é mais o que vem buscar baixos salários para se integrar na base da sociedade. Esse também continua a vir, mas vêm brasileiros mais qualificados. Na diáspora do Brasil, há descendentes de japoneses que estão a regressar ao Japão, há quem busque os EUA e o Canadá, e há também um volume considerável que tem optado por Portugal”, afirmou.

Para isso, seriam precisas políticas de atração e fixação desses imigrantes em locais do interior, para evitar que se fixem em Lisboa e no Porto, cidades onde já há saturação demográfica.

“O centro desta preocupação é casar demografia com uma política pública de ordenamento do território. É casar política imigratória e usar essa política imigratória como vetor para o reordenamento do território. É isso que temos estudado e acreditamos que os mapas têm uma função importante nisso”, disse o investigador.

Entre as possíveis medidas que poderão ser discutidas, sugere vantagens a quem se estabeleça nestes territórios, “no sentido tributário ou na educação”, e “até facilitar a nacionalidade pode ser um incentivo, desde que o imigrante fique numa determinada região ou município”.

“Se Portugal, que tem uma política pública que atrai fundos europeus para desenvolver o território, fizer uma política de atração dessa mão de obra que hoje está a ser oferecida no mundo e conseguir fazer a comunicação para essa mão de obra se fixar na interioridade, mostrando como funcionam os fundos europeus, mostrando o que pode ser feito, parece-me um caminho interessante”, considerou.

Ugeda considerou que “não seria desproporcional pensar numa emigração de um milhão de brasileiros para Portugal”, tendo em conta que representariam 16% da população portuguesa, a mesma proporção de emigrantes portugueses no Luxemburgo.

“O Brasil tem mão de obra para isso. E qualificada. (…) A questão é quão rápido Portugal vai ser capaz de entender que isso pode ser uma janela de oportunidade, porque, em dado momento, ela vai-se fechar”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)