Rádio Observador

Sociedade

UNICEF Portugal. Seia é a primeira “Cidade Amiga das Crianças” do interior do país

A iniciativa pretende potenciar a participação das crianças na vida da comunidade e reforçar os direitos da criança. Seia junta-se assim a cidades de 31 países que têm o mesmo título.

O título foi anunciado numa cerimónia realizada na cidade no âmbito da Semana da Criança e do Brincar

NIC BOTHMA/EPA

Seia foi esta terça-feira reconhecida como “Cidade Amiga das Crianças” da UNICEF, tornando-se na primeira localidade do Interior do país a obter uma distinção que aumenta a responsabilidade do município para com os mais novos.

O reconhecimento de Seia como “Cidade Amiga das Crianças” decorreu numa cerimónia realizada no âmbito da Semana da Criança e do Brincar, que a autarquia está a promover até domingo.

Segundo a diretora executiva da UNICEF Portugal, Beatriz Imperatori, a cidade de Seia, no distrito da Guarda, é a segunda no país a obter o reconhecimento público de “Cidade Amiga das Crianças” e junta-se “às centenas de ‘Cidades Amigas [das Crianças]’ presentes em 31 países e quatro continentes”. “É o segundo reconhecimento público que fazemos, o primeiro no Interior”, disse Beatriz Imperatori à agência Lusa.

O Programa Cidades Amigas das Crianças do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF, em inglês) visa “promover a aplicação dos direitos da criança nas decisões, políticas e programas dos municípios portugueses, incentivando a adoção de uma política coordenada para a infância e adolescência”.

Com a iniciativa “pretende-se assegurar o bem-estar de todos os cidadãos e em particular dos mais jovens, potenciar a participação das crianças na vida da comunidade e o trabalho em rede entre entidades públicas e privadas envolvidas na defesa dos direitos da criança”, segundo a entidade promotora.

O reconhecimento de Seia como “Cidade Amiga das Crianças” e a assinatura do compromisso público, no seguimento de uma candidatura apresentada em 2016, aumenta a responsabilidade do município para com os mais novos, segundo a vice-presidente, Cristina Sousa. “Mas estamos cá para abraçar esse desafio e essas responsabilidades”, garantiu a autarca, indicando que o trabalho a desenvolver “não cabe só ao executivo”, mas sim a toda a sociedade que pretende “tornar Seia numa cidade ainda melhor e ainda mais amiga das crianças”.

A título de exemplo, Cristina Sousa referiu que o município já dá oportunidade às crianças de se pronunciarem sobre o futuro do seu concelho com a existência do Orçamento Participativo Escolar e com a realização de Assembleias de Escola.

A diretora executiva da UNICEF Portugal sublinhou que com a assinatura do compromisso é reforçada a ligação com o município de Seia. “Temos um compromisso ainda maior, já trabalhamos juntos há um tempo e vamos continuar a reforçar todo o trabalho que fazemos em conjunto”, assegurou.

Beatriz Imperatori adiantou que Seia assume o compromisso de “implementar medidas e programas que cobrem, de forma transversal, todas as áreas com impacto na vida das crianças”. “Produzir conhecimento através de recolha e análise sistemática de informação sobre a situação das crianças no território de forma a identificar situações de discriminação e vulnerabilidade, respondendo com políticas e medidas que as contrariem”, é outro dos propósitos.

A responsável pela UNICEF Portugal desafiou a Câmara de Seia a desenvolver um sistema de monitorização e avaliação “que permita a análise do impacto das politicas e práticas no bem-estar das crianças e jovens” e a “reforçar os mecanismos de participação das crianças nos processos de decisão”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)