Rádio Observador

Corrupção

Operação Teia. Casal de arguidos rejeita que autarquia tenha pago viagens

O advogado de Joaquim Couto e Manuela Couto, arguidos da operação Teia, negou este sábado a suspeita de que o casal tenha viajado a expensas da Câmara Municipal de Santo Tirso.

A Diretoria do Norte da Polícia Judiciária é o órgão de polícia criminal que apoia o Ministério Público neste caso

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O advogado de Joaquim Couto e Manuela Couto, arguidos da operação ‘Teia’, Nuno Brandão, negou este sábado a suspeita de que o casal tenha viajado a expensas da Câmara de Santo Tirso, como sustenta a investigação da PJ/Porto.

Em declarações à entrada do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto, onde desde sexta-feira os quatro detidos da operação estão a ser ouvidos pelo juiz de instrução Artur Guimarães, o advogado procurou desmontar as suspeitas lançadas ao político e à empresária.

Reportando-se às “alegadas viagens efetuadas pelo presidente da Câmara de Santo Tirso que se diz terem sido pessoais, mas a expensas do município”, Nuno Brandão afirmou já ter sido “apresentada prova documental que revela que a parte das viagens de caráter pessoal, sem caráter institucional, foi custeada pelos próprios e não pela câmara”.

As afirmações ocorrem no mesmo dia em que são noticiadas viagens do casal para diversos destinos, alegadamente a expensas da autarquia do distrito do Porto.

A empresária Manuela Couto e o presidente do IPO/Porto, Laranja Pontes, regressaram este sábado ao TIC para o último dia de interrogatórios e a fixação das medidas de coação.

Ouvida na sexta-feira durante mais de três horas, Manuela Couto é administradora da W Global Communication, e já foi constituída arguida em outubro, no âmbito da operação Éter, relacionada com o Turismo do Norte, tendo pago uma caução de 40 mil euros para ficar em liberdade.

Antes, haviam sido interrogados os dois presidentes de câmara, Miguel Costa Gomes (Barcelos) e Joaquim Couto (Santo Tirso) sendo que para este sábado sobra ainda o interrogatório ao presidente do IPO/Porto, Laranja Pontes, sendo que os quatro foram detidos na quarta-feira.

A operação ‘Teia’ centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos bem como no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto e investiga suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio, traduzidas na “viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto”, segundo comunicado da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária, o órgão de polícia criminal que apoia o Ministério Público neste caso.

Nuno Brandão frisou também, sobre a atividade empresarial de Manuela Couto, que no processo em apreciação “já foi assumido por várias pessoas com responsabilidades decisórias neste processo que não se está a discutir nem a qualidade dos serviços, nem o preço dos serviços nem a efetividade dos serviços que foram prestados pelas empresas de Manuela Couto”.

Defendendo que “não se põe em causa que os serviços existiram, que foram prestados e eram de qualidade e adequados às necessidades e conforme aos preços que se praticam no mercado”, o advogado enfatizou que apenas estão em discussão “questões de caráter procedimental, formal e não de substância”.

“Portanto, não há aqui o depauperamento de dinheiros públicos a ser discutido neste processo”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)