Um dia depois de Joaquim Couto ter renunciado ao cargo de presidente da Câmara de Santo Tirso, o seu número 2 anunciou em reunião de câmara que iria suceder-lhe e assumir a liderança da autarquia. Alberto Costa, o n.º 2, é também ele arguido desde 2018 num processo por suspeitas fraude fiscal e participação em negócio, avança o Expresso.

No ofício assinado esta manhã de segunda-feira lê-se que Alberto Costa assume “conforme decorre dos termos da lei, as funções de presidente a partir de hoje”. Costa foi um dos cinco suspeitos detidos no âmbito da Operação Dennis, levada a cabo ela PJ no final do ano 2018 por suspeitas de crimes de associação criminosa, fraude na obtenção de subsídio, fraude fiscal qualificada, branqueamento, recebimento indevido de vantagem e participação económica em negócio.

O anterior presidente Joaquim Couto e a mulher, Manuela Couto, foram detidos no final da semana e conhecem esta segunda-feira a medida de coação que lhe será aplicada. O Ministério Público pede que fiquem em prisão preventiva por perigo de continuação da atividade criminosa. O casal é suspeito de construir um pequeno império de comunicação, eventos e marketing que terá conseguido contratos de mais de 1,4 milhões de euros da Câmara de Barcelos e do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto.

O ex-presidente é suspeito de dois crimes de corrupção ativa, de quatro crimes de tráfico de influência e de três crimes de peculato, enquanto que a sua mulher Manuela Couto é suspeita de dois crimes de corrupção ativa.