Rádio Observador

Urgências

Urgência de Ginecologia/Obstetrícia de Beja fecha pela 5.ª vez este ano por falta de médico

348

A urgência de Ginecologia/Obstetrícia do hospital de Beja vai fechar pela quinta vez este ano, entre as 18h desta sexta e as 8h de sábado. Não existe um segundo médico especialista disponível.

Segundo o conselho de administração, os concursos abertos nos últimos 10 anos para contratar médicos da especialidade têm ficado "desertos".

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A urgência de Ginecologia/Obstetrícia do hospital de Beja vai fechar pela quinta vez este ano, entre as 18h desta sexta e as 8h de sábado, devido à falta de um segundo médico especialista, indicou a administração.

Segundo informações prestadas à agência Lusa pelo conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), que gere o hospital de Beja, durante o período de fecho temporário do serviço, “não há atendimento na especialidade a utentes provenientes do exterior”, as quais serão “encaminhadas para as unidades de saúde mais próximas”, nomeadamente para os hospitais públicos de Évora, Faro ou Setúbal.

No entanto, mantém-se “garantido” o atendimento a situações emergentes pela equipa multidisciplinar do Serviço de Urgência do hospital e a urgência interna e os cuidados das puérperas internadas.

O serviço vai fechar porque, depois de “esgotados todos os esforços, não foi possível garantir a presença” de um segundo médico especialista necessário na escala, explica o conselho de administração da ULSBA.

Por isso, a administração refere que se viu “na indesejada contingência de proceder ao encerramento temporário” do serviço e que, “este ano, é a quinta vez” que se vê “forçadamente a tomar” a medida.

O serviço retomará o “normal funcionamento” às 8h de sábado, quando já “estarão escalados os dois médicos” necessários, refere.

Segundo a administração da ULSBA, em todas as situações de fecho temporário do serviço já ocorridas, “foram encetados todos os esforços e esgotados todos os recursos no sentido de se conseguir escalar o segundo especialista para completar a escala da urgência da especialidade, garantindo, no entanto, a urgência interna e os cuidados às utentes internadas”.

Os esforços têm sido “em vão”, porque, “perante a necessidade de se recorrer a um médico em contrato de prestação de serviços”, a ULSBA está “dependente da sua disponibilidade” e, “quando ela não existe, e após sucessivos nãos, só resta encaminhar as utentes para as unidades de saúde mais próximas”, explica.

“Mesmo na condição de existência de um médico obstetra” na Urgência de Ginecologia/Obstetrícia, “as situações emergentes foram, e serão sempre, objeto de atendimento pela equipa multidisciplinar que constitui o Serviço de Urgência” do hospital, frisa.

O conselho de administração lembra que os concursos abertos nos últimos 10 anos para contratar médicos da especialidade de Ginecologia/Obstetrícia para a ULSBA têm ficado “desertos” e os médicos internos formados no hospital “infelizmente” não ficam após terminarem a formação.

Por outro lado, ressalva, a dificuldade em contratar médicos para o hospital de Beja “é sentida também noutras áreas de especialidade”, como cirurgia geral, pediatria, anestesiologia e ortopedia.

As situações de fecho do Serviço de Urgência de Ginecologia/Obstetrícia do hospital levaram o deputado do PCP por Beja, João Dias, a questionar o Governo e a exigir “medidas céleres” que respondam ao problema.

“Não foram implementadas quaisquer medidas que invertam o caminho” e, se “continuar”, “o futuro da maternidade do hospital será o encerramento definitivo”, alerta do deputado, numa pergunta dirigida ao Ministério da Saúde e enviada à Lusa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)