Rádio Observador

Economia

Estudo dos benefícios fiscais pretende substituir “má despesa” por mecanismos eficientes, diz o Governo

122

O secretário de Estados dos Assuntos Fiscais diz que estudo sobre benefícios fiscais, apresentado nesta segunda-feira, pretende que os portugueses se questionem sobre cada um deles.

O Governo prevê uma redução da despesa com benefícios fiscais em 90 milhões de euros por ano, entre 2020 e 2022

MÁRIO CRUZ/LUSA

O secretário de Estados dos Assuntos Fiscais garante que o objetivo do Governo com o estudo sobre os benefícios fiscais não é reduzir a despesa fiscal, mas substituir a “má despesa” por mecanismos mais eficientes.

Em declarações à agência Lusa a propósito da apresentação, esta segunda-feira no Porto, de um estudo sobre os benefícios fiscais, António Mendonça Mendes afirma que os portugueses devem questionar-se sobre cada um dos 542 benefícios fiscais que atualmente existem no país.

“Neste momento há 542 benefícios fiscais distribuídos por vários impostos sem contar com os decorrentes de impostos municipais. O número é muito objetivo e acho que os 10 milhões de portugueses devem questionar-se sobre cada um dos 542 benefícios fiscais e esse é o objetivo deste relatório: dar informação adequada sobre cada um, para que se possa questionar se faz sentido ou não”, afirmou o governante.

Em causa está um relatório elaborado por um grupo de trabalho criado em abril do ano passado com a missão de analisar os benefícios fiscais bem como a despesa que lhes está associada e de identificar critérios que permitam melhorar a sua monitorização e avaliação e verificar o seu impacto socioeconómico.

António Mendonça Mendes adianta ainda que, após a apresentação, iniciar-se-á uma ampla discussão pública deste estudo e garante que o objetivo não é reduzir a despesa fiscal associada aos benefícios e que totalizou, em 2018, 11,7 mil milhões de euros.

A maior fatia daquele montante (7,5 mil milhões de euros) decorre, porém, das taxas preferenciais do IVA que não foram analisadas por se considerar que ficavam de fora do âmbito deste trabalho.

“O Governo disse de forma muito clara, quando iniciou este trabalho, que não queria diminuir aquilo que é a despesa fiscal. O que queremos é substituir despesa fiscal que não seja eficiente por mecanismos que sejam mais eficientes”, precisou.

No Plano de Estabilidade (PE) 2019-2023, o Governo prevê uma redução da despesa com benefícios fiscais em 90 milhões de euros por ano entre 2020 e 2022, totalizando 270 milhões de euros.

Em contrapartida, o PE aponta para uma medida de redução de taxas de impostos sobre o rendimento e património que resulta num alívio fiscal de 200 milhões de euros em 2021.

Sem entrar em detalhes sobre o conteúdo do documento, o governante precisou que o estudo “não toma posições” nem sugere a substituição ou a eliminação do “benefício A ou do benefício B”, antes fornece “as ferramentas para que os decisores políticos possam decidir”.

A discussão pública que o Governo pretende promover em torno deste relatório também deverá dar pistas sobre de que forma se pode tornar a despesa fiscal mais eficiente ou seja de que forma se pode substituir a “má despesa fiscal por boa despesa fiscal”.

O estudo é apresentado numa conferência que terá lugar na Universidade Católica — Centro Regional do Porto, e em que estarão presentes o ministro das Finanças, Mário Centeno, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, os elementos do grupo de trabalho e vários fiscalistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)