Rádio Observador

MH17

Quatro suspeitos de ataque com um míssil ao avião que caiu na Ucrânia serão julgados em 2020

Três russos e um ucraniano foram acusados de terem provocado a queda do voo MH17 da Malaysian Airlines matando 298 pessoas. O julgamento deverá ser na Holanda em a 9 março de 2020.

A Rússia nega qualquer envolvimento no ataque e culpa Kiev pela queda do avião

SERGEY DOLZHENKO/EPA

Quatro suspeitos serão julgados por homicídio, acusados de terem provocado a queda do avião do voo MH17 da Malasyia Airlines, ao terem disparado um míssil russo, a partir da zona separatista da Ucrânia, anunciaram esta quarta-feira as autoridades holandesas.

O julgamento deverá iniciar-se na Holanda em 9 de março de 2020, e terá quatro pessoas no banco dos réus, três russos e um ucraniano.

Os réus serão julgados pela autoria do ataque com um míssil que, em 17 de julho de 2014, matou os 283 passageiros (196 deles de naturalidade holandesa) e 15 tripulantes do voo MH17 da Malasyia Airlines, na zona de conflito armado no leste da Ucrânia, a zona separatista da antiga República soviética, quando viajava entre Amesterdão e Kuala Lumpur.

Segundo a comissão internacional de investigação, liderada pela Holanda, o Boeing da Malasyia Airlies foi abatido por um míssil proveniente da 53ª brigada antiaérea russa, baseada em Kursk (na Rússia).

Numa conferência de imprensa na cidade holandesa de Nieuwegein, os responsáveis holandeses pela comissão internacional de investigação anunciaram que os mandados de captura internacionais serão emitidos para os russos Sergey Dubinsky, Oleg Pulatov e Igor Girkin, e para o ucraniano Leonid Chartsjenko.

Entretanto, Igor Girkin já negou o envolvimento do movimento separatista na tragédia do voo MH17.

“O que posso garantir é que o Boeing não foi abatido pelos rebeldes”, disse Girkin, que era um dos líderes do movimento separatista, apoiado por Moscovo, no momento do acidente.

Os responsáveis da comissão internacional de investigação disseram ainda que é provável que os réus sejam julgados à revelia, já que a Constituição da Rússia e da Ucrânia não permitem a extradição de cidadãos.

Rússia diz que acusações de envolvimento na queda do voo MH17 são gratuitas

O Governo russo lamentou esta quarta-feira as conclusões apresentadas por uma investigação internacional que apontam para o envolvimento de russos na queda do avião, dizendo que procuram desacreditar a Rússia. A Rússia nega qualquer envolvimento no ataque e culpa Kiev pela queda do avião, afirmando que o míssil encontrado nos escombros do acidente pertence aos arsenais do exército ucraniano.

“As declarações feitas (pela comissão) sobre o suposto envolvimento de militares russos na queda do Boeing MH17 da Malaysia Airlines são lamentáveis”, afirmou esta quarta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov. “Mais uma vez, acusações completamente infundadas são feitas contra a Rússia, procurando desacreditar a Rússia aos olhos da comunidade internacional”, disse Lavrov.

O grupo de investigação jornalística Bellingcat anunciou que também esta quarta-feira revelará nomes de pessoas ligadas ao ataque.

Os jornalistas deste grupo dizem ter “um elevado grau de certeza” de que um homem conhecido como “Delfin”, o general russo Nikolai Fyodorovich Tkachev, será um dos principais responsáveis pelo ataque.

A tragédia continua a ser um assunto altamente sensível na Holanda, onde o primeiro-ministro, Mark Rutte, colocou como prioridade encontrar os culpados e levá-los perante a justiça.

Em 2018, os eurodeputados holandeses ratificaram um acordo assinado com a Ucrânia para iniciar um processo judicial contra as pessoas responsáveis pelo desastre, na Holanda.

A queda do voo MH17 deteriorou ainda mais as relações entre a Rússia e os países ocidentais, que já estavam muito afetadas após a anexação da península ucraniana da Crimeia por Moscovo, em 2014.

Após as revelações dos investigadores sobre a origem russa do míssil, a União Europeia e a NATO pediram a Moscovo para reconhecer a sua responsabilidade no ataque.

Em julho, líderes do G7 também instaram a Rússia a “reconhecer o seu papel” no caso, dizendo que a investigação apresentou a conclusões “convincentes” e “profundamente preocupantes” sobre o seu envolvimento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)