A um dia de começar a instrução do processo da invasão à Academia de Alcochete, há um novo pedido de recusa do juiz do processo, Carlos Delca. Este é o quarto pedido com a mesma intenção, mas desta vez poderá não ter os mesmos efeitos que os outros três, que acabaram recusados pelo Tribunal da Relação de Lisboa, e que adiaram esta fase processual. É que, segundo apurou o Observador, como o prazo da prisão preventiva dos arguidos está prestes a esgotar, esta fase poderá ser considerada um “ato urgente” e o magistrado não ficará impedido de arrancar com a sessão prevista para esta terça-feira no Campus de Justiça, em Lisboa.

A notícia do quarto incidente de recusa foi avançada esta segunda-feira pelo Correio da Manhã, mas já era falada há alguns dias entre os advogados que representam o caso. Só agora, a menos de um dia do começo da instrução, parece ter sido concretizada.

Este é a quarta tentativa de afastar o juiz que coincide sempre com o arranque da instrução, atrasando esta fase processual que visa perceber se o caso tem provas suficientes e matéria para avançar para julgamento.