Rádio Observador

Empresas Públicas

PAN questiona Governo sobre “sufoco financeiro” na Lusa

O deputado André Silva relembrou que o Estado deve atribuir à Lusa, "como contrapartida pela respetiva prestação de serviços", uma compensação financeira anual, que se divide em 12 parcelas."

À eventualidade daqueles cortes orçamentais, a comissão acrescentou que o Estado deve à Agência 300 mil euros

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O PAN questionou o Governo sobre a situação de “sufoco financeiro” na Lusa e sobre a possibilidade do executivo “continuar a depauperar” a agência de notícias, impossibilitando-a de cumprir com as suas obrigações contratuais, foi anunciado esta sexta-feira.

O contrato de prestação de serviço noticioso e informativo de interesse público firmado entre o Estado e a Lusa contém várias premissas respeitantes às finalidades, obrigações, compromissos e deveres, assumidas pela agência noticiosa”, referiu o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), numa pergunta dirigida ao Ministério das Finanças.

Neste sentido, o deputado André Silva relembrou que, segundo a oitava cláusula do contrato em causa, o Estado deve atribuir à Lusa, “como contrapartida pela respetiva prestação de serviços”, uma compensação financeira anual, que se divide em 12 parcelas.”

Porém, sublinhou o PAN, “começa a ser profusamente reconhecido que a agência noticiosa Lusa vive dias de sufoco financeiro, potenciado/provocado por cortes e dificuldades na concretização dos pagamentos pela parte contratual ‘Estado Português’, que incumpre assim com as suas obrigações contratuais, desembocando na incapacidade/impossibilidade de a Lusa cumprir com as suas obrigações, o que faz com que o interesse público esteja em causa”.

Neste sentido, o deputado André Silva pretende saber qual é a estratégia do Governo e se o executivo equaciona a possibilidade de “continuar a depauperar a Lusa, obstando a que esta entidade prossiga o seu objeto e cumpra com as respetivas obrigações contratuais”. Por outro lado, o PAN questiona se o executivo prevê “continuar a valorizar e apoiar” a agência noticiosa e de que forma

Enfatiza-se que o contrato enaltece ‘per si’ a importância desta entidade na prossecução do interesse público, subjacente ao serviço noticioso e informativo, o que está em causa com este estrangulamento financeiro”, lê-se no documento.

Na quinta-feira, a Comissão de Trabalhadores (CT) da Lusa alertou, em comunicado, para que a cobertura das eleições legislativas pode ficar comprometida se o Governo avançar com os cortes orçamentais que pretende na agência.

Uma cobertura aquém do desejável da campanha eleitoral seria uma das consequências dos mencionados cortes, que também poderiam ameaçar “postos de trabalho de jornalistas que trabalham com a agência há anos, ainda que com vínculo precário“, apontou a CT. À eventualidade daqueles cortes orçamentais, a comissão acrescentou que o Estado deve à Agência 300 mil euros.

No seu comunicado, intitulado “Governo exige cortes na Lusa penalizando jornalismo”, a CT recordou que a assembleia-geral da empresa para votação do plano de atividades e orçamento para 2019 foi “adiada pela terceira vez em 29 de maio”, com nova reunião marcada para 19 de julho.

Ao justificar o título do comunicado, a CT escreveu: “Segundo informações a que tivemos acesso, nessa reunião [de 29 de maio], o Ministério das Finanças quis aprovar os documentos impondo fortes cortes, sendo o mais significativo de 600 mil euros em Fornecimentos e Serviços Externos (FSE)”.

Esta rubrica, detalhou, inclui o pagamento de reportagens e outros trabalhos jornalísticos, bem como a remuneração de correspondentes e jornalistas das redes nacional e internacional da Lusa que não fazem parte do quadro da empresa.

A CT previu que “estes seriam os recursos a cortar, uma vez que outras despesas desta rubrica dificilmente podem ser reduzidas (p. ex. luz, limpeza, papel)”.

Se estes cortes ocorressem, o trabalho da Lusa seria posto “em causa”, “uma vez que as redes nacional e internacional são fundamentais na execução da sua missão e ficariam até final do ano gravemente amputadas para fazer trabalhos com a qualidade e quantidade que se exige”, vincou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
852

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)