Rádio Observador

Tesla

Pode o Model 3 bater BMW e Mercedes na segurança?

113

O Euro NCAP revelou os mais recentes resultados dos seus testes de segurança e, entre eles, destaca-se o Tesla Model 3, com apenas tracção traseira. Será mais seguro que o Série 3 e o Classe C?

No capítulo da protecção aos ocupantes que os veículos do segmento D fornecem aos seus proprietários, os carros alemães dos fabricantes de luxo, ou seja, Audi, BMW e Mercedes (e os suecos da Volvo), tradicionalmente lideram. O é que até é fácil de perceber, pois os seus veículos destinam-se a clientes que aceitam pagar mais, mas que são exigentes em todos os domínios. A começar pela segurança, mas também porque esse mesmo grau de exigência se estende ao equipamento colocado à disposição do condutor (e família) para o ajudar na sua tarefa e oferecer uma protecção adicional caso algo corra mal.

O Euro NCAP é um exemplo de democracia. Construiu uma imensa parede de cimento armado, com um peso de várias centenas de toneladas, e atira contra ela todo o tipo de automóveis, dos mais caros aos mais baratos. Invariavelmente, o betão vence sempre (e destacado) estes crash tests – agora denominados safety tests, por envolverem hoje muito mais do que meramente protecção em caso de acidente, uma vez que são igualmente avaliados a protecção das crianças a bordo, de peões e a eficiência dos inúmeros sistemas de ajuda à condução e de aviso ao condutor. De uma forma ou de outra, todas estas soluções salvam vidas, mas continua a ser determinante a capacidade de um veículo proteger os seus em caso de embate violento, deformando-se para absorver a energia cinética do modelo, seja durante um embate frontal desfasado, total ou lateral.

Os mais recentes resultados do Euro NCAP trouxeram a análise de mais uma mão cheia de veículos, com ênfase para o Tesla Model 3. Não por ser um Tesla, mas sim por sim ser eléctrico, americano (os americanos tradicionalmente não se dão muito bem nos crashs europeus) e se tratar de um veículo que os fãs dos eléctricos parecem adorar, enquanto os amantes dos motores a combustão atacam como podem. Como o Euro NCAP optou por um Model 3 Long Range RWD, ou seja, com apenas tracção traseira, impõe-se compará-lo com os tais concorrentes de luxo com os mesmos argumentos: preço elevado e tracção traseira. Daí que a bitola para comparar o mais barato dos Tesla seja fornecida pelo BMW Série 3 e Mercedes Classe C, tradicionalmente com tracção traseira.

Para o Euro NCAP, o Model 3 da Tesla teve um desempenho notável, pois como salientou o director de pesquisa do Thatcham Research, Matthew Avery, “conseguiu uma das melhores pontuações de sempre”. Na protecção de adultos a bordo, incluindo o condutor, o mais acessível dos Tesla alcançou 96% de eficácia, para depois atingir a pontuação de 86% com as crianças a bordo. Simultaneamente, obteve uns impressionantes 94% na assistência à segurança e à condução, para assegurar 74% na protecção dos peões em caso de embate.

Se compararmos com estes valores o mais recente BMW Série 3, testado em 2012, o BMW perde ao conseguir 92% nos adultos (contra 96% do Tesla), 84% nas crianças (contra 86%) e 86% nas ajudas à segurança (contra 94%). Mas consegue 78% na protecção de peões, contra 74% no modelo americano.

Se, face ao Série 3, o Model 3 (de 2017) conquista uma vitória surpreendente, ainda com maior à vontade bate o Classe C da Mercedes, avaliado em 2014. Na protecção de adultos, o Mercedes ficou-se pelos 92% (contra 96% do Tesla), para nas crianças ter alcançado 84% (em vez de 86%). E, na avaliação às ajudas à segurança, atingiu apenas 70% (contra 94%), ‘vingando-se’ na protecção aos peões (77% em vez de 74%).

Uma vitória do recém-chegado tão surpreendente quanto notável, pois além da menor experiência do fabricante, a presença das baterias eleva consideravelmente o seu peso (cerca de 1.900 kg), muito superior a um BMW ou Mercedes com a mesma potência. E quanto mais pesado, mais difícil é absorver toda a energia libertada durante o embate.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)