Rádio Observador

Reino Unido

Theresa May acusa Corbyn de fracasso em acabar com antissemitismo no partido Trabalhista

A chefe do governo referiu o texto assinado por 64 membros do Partido Trabalhista da Câmara dos Lordes e publicado no The Guardian, onde acusam Corbyn de ser responsável por uma "cultura tóxica".

"Estamos a dizer que você é responsável como líder por permitir que o antissemitismo cresça no nosso partido e por presidir ao período mais embaraçoso da história do Partido Trabalhista", referem figuras políticas

UK PARLIAMENTARY RECORDING UNIT / HANDOUT/EPA

A primeira-ministra britânica, Theresa May, acusou nesta quarta-feira o líder da oposição, Jeremy Corbyn, de ter falhado em acabar com o problema do antissemitismo no partido Trabalhista, referindo um texto publicado esta quarta-feira  por lordes trabalhistas.

“Antes de se afirmar como o defensor das alterações climáticas e o defensor do povo, ou o defensor da igualdade e justiça, ele precisa de pedir desculpa pelo seu fracasso em resolver o antissemitismo no Partido Trabalhista“, afirmou May durante o debate semanal com os deputados na Câmara dos Comuns.

A chefe do governo referiu o texto assinado por 64 membros do Partido Trabalhista da Câmara dos Lordes e publicado nesta quarta-feira numa página inteira no diário The Guardian, onde acusam Corbyn de ser responsável por uma “cultura tóxica” ao permitir que o antissemitismo corrompa o partido.

Os signatários incluem os antigos ministros Peter Hain, John Reid e Peter Mandelson e outras figuras públicas, incluindo a apresentadora de rádio Joan Bakewell e o cientista Robert Winston, os quais lamentam que os judeus não se sintam bem-vindos no partido.

“Não estamos a perguntar se você é um antissemita. Estamos a dizer que você é responsável como líder por permitir que o antissemitismo cresça no nosso partido e por presidir ao período mais embaraçoso da história do Partido Trabalhista”, referem.

O texto foi publicado na sequência de uma reportagem emitida na BBC, em que oito antigos funcionários do ‘Labour’ acusaram o partido de não agir relativamente a membros acusados de antissemitismo, além de terem revelado que membros próximos do líder interferiram nos processos, o que o gabinete de Corbyn negou.

Theresa May considera que o líder da oposição “falhou o teste da liderança e deve pedir desculpa agora”, vincando: “Este é o seu legado, senhor Corbyn. Ainda não abriu os olhos, ainda não disse a verdade toda, ainda não aceitou a sua responsabilidade“.

Corbyn respondeu, invocando o facto de ter sido o partido Trabalhista a introduzir legislação antirracismo no Reino Unido.

“Este partido opõe-se totalmente ao racismo em qualquer forma possível. O antissemitismo não tem lugar na nossa sociedade e em nenhum dos nossos partidos, e não tem lugar em qualquer do nosso diálogo. Nem tem qualquer forma de racismo”, garantiu.

Corbyn replicou, aludindo a uma sondagem que indicou que 60% dos membros do partido Conservador pensam que o Islamismo é uma ameaça à sociedade Ocidental para lembrar a controvérsia no partido Conservador.

“A primeira-ministra disse que ela iria combater a islamofobia no seu próprio partido, eu espero ver isso acontecer, tal como nós o faremos com qualquer racismo que ocorrer no nosso próprio partido”, prometeu Corbyn.

A controvérsia remonta a 2016, quando a deputada Naz Shah foi forçada a pedir desculpa publicamente por ter publicado mensagens na rede social Facebook que insinuavam que os judeus deveriam ser deportados para os EUA.

Pouco depois, o antigo ‘Mayor’ de Londres Ken Livingstone deu uma entrevista em que disse que Hitler apoiou o sionismo e que existe um “lóbi de Israel” que denuncia os críticos da política daquele país como antissemitas, o que resultou num processo disciplinar.

Um inquérito interno exonerou o partido de antissemitismo generalizado, mas identificou uma “atmosfera ocasionalmente tóxica”, exacerbada por um número crescente de denúncias dentro do partido e de casos disciplinares em atraso.

No final de maio, a Comissão de Igualdade e Direitos Humanos (EHRC) britânica anunciou o início de investigação oficial ao antissemitismo no partido Trabalhista no âmbito da lei para a igualdade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)