Rádio Observador

MINI

Mini eléctrico pode ser reservado. Já tem preços

O primeiro eléctrico de produção em larga escala da Mini vem romper com o tradicional “modus operandi” do Grupo BMW. Nada de uma extensa lista de extras, mas sim versões para simplificar a produção.

A Mini apresentou recentemente o Cooper SE, o seu primeiro modelo eléctrico destinado a uma produção em massa, ao contrário do que aconteceu com o Mini E, de que foram produzidas apenas 500 unidades. Não com o intuito de serem vendidas, mas sim entregues em regime de leasing a clientes seleccionados, exclusivamente nos Estados Unidos da América, para que a marca britânica pudesse fazer uma espécie de experiência em contexto de utilização real e, assim, tivesse possibilidade de fazer evoluir a sua tecnologia eléctrica.

Uma década depois, o fabricante britânico que integra o Grupo BMW deu a conhecer a o seu modelo exclusivamente movido a bateria, de que afirma já ter 40 mil registos de interesse. Em Portugal, também já é possível fazer uma pré-reserva, com  a particularidade de o site nacional da Mini avançar que as entregas se iniciam em Maio de 2020.

O lançamento comercial do modelo está previsto para Março, seguindo uma estratégia diferente daquela que até aqui era adoptada. Em vez de “despir” o Cooper SE de equipamento, para que o cliente pudesse configurá-lo ao máximo a partir de uma extensa lista de extras, com o arranque da sua ofensiva eléctrica a Mini opta por propor versões com uma nomenclatura ao estilo de peça de vestuário. Os preços arrancam nos 34.400€ da versão S e chegam até aos 41.400€ da versão XL. Pelo meio, a versão M exige o desembolso de 36.900€, enquanto a versão L custa mais 2.500€ (39.400€). O objectivo, segundo fonte da marca, é simplificar a produção, devendo ser conhecida lá mais para a frente a lista de equipamento associada a cada uma destas quatro alternativas.

Tal como aqui explicámos, o Mini Cooper SE destaca-se por não romper com a imagem da marca, antes optando por ligeiros detalhes para enfatizar o facto de estarmos perante um três portas puramente eléctrico. Mas se isso não foi uma surpresa, o mesmo não se poderá dizer da bateria e da autonomia anunciadas. Com um acumulador de 32,6 kWh (de capacidade total, porque úteis são apenas 28,9 kWh), o Mini eléctrico anuncia entre 235 e 270 km de autonomia, o que julgamos ficar a dever-se às especificações das diferentes versões segundo o método WLTP, pois os pneus mais largos provocam uma redução do número de quilómetros que consegue percorrer com uma carga completa. Aos que ficaram desiludidos com a “curta” autonomia, a marca responde com o posicionamento, defendendo que o Mini é por vocação um veículo urbano e, como tal, o alcance não será determinante. Em compensação, o fabricante britânico coloca ênfase no comportamento desportivo, dado que o reduzido pack de baterias permite-lhe ser mais leve.

Face a propostas mais baratas, caso do renovado e-up!, Skoda Citigoe iV e Seat Mii Electric, com 265 km de autonomia de acordo com o protocolo de medição WLTP, graças a nova bateria de iões de lítio com 36,8 kWh de capacidade, o Cooper SE responde com um motor eléctrico de 135 kW, ou seja, 184 cv e um binário máximo de 270 Nm, enquanto os eléctricos do Grupo Volkswagen (do segmento abaixo) contam um motor de 83 cv e 210 Nm.

No mesmo segmento, o Opel Corsa-e, por exemplo, é comercializado por valores desde 29.990€, oferecendo em troca 330 km de autonomia, cortesia de um acumulador de 50 kWh de capacidade. Está equipado com um motor de 136 cv no eixo dianteiro e anuncia 0-100 km/h em 8,1 segundos, fasquia que o Cooper SE promete superar em 7,3 segundos.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)