Rádio Observador

Presidente Trump

PR afegão pede “esclarecimentos” após declarações polémicas de Trump

Afegãos temem que retirada da força dos EUA do país provoque o retorno ao poder dos talibãs, que controlam ou exercem influência em quase metade da região, ou até uma nova guerra civil.

Presidente afegão mostra-se regularmente irritado por ser mantido praticamente de fora das negociações de paz que ocorrem há cerca de um ano entre os EUA e os talibãs

PRESS INFORMATION DEPARTMENT HANDOUT/EPA

O Presidente afegão, Ashraf Ghani, pediu nesta terça-feira “esclarecimentos” aos Estados Unidos depois de o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, dizer que facilmente venceria a guerra no Afeganistão, mas não queria “matar 10 milhões de pessoas”.

“O Governo da República Islâmica do Afeganistão quer esclarecimentos sobre as declarações do Presidente dos Estados Unidos”, referiu o gabinete do Presidente Ghani num comunicado.

O Presidente norte-americano fez estas declarações na Casa Branca na segunda-feira, durante a receção ao primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan.

Num período em que têm decorrido conversações entre Washington e representantes dos talibãs afegãos na perspetiva de um acordo de paz, Trump afirmou em paralelo que podia vencer a guerra no Afeganistão “numa semana”, mas acrescentou que não pretende seguir “por esse caminho” porque implicaria matar “dez milhões de pessoas”.

“Poderia ganhar essa guerra numa semana, mas não quero matar dez milhões de pessoas”, afirmou perante os jornalistas e após receber Imran Khan.

“O Afeganistão poderia ser apagado da face da Terra. Não quero ir por esse caminho”, acrescentou o chefe de Estado norte-americano, e que terá solicitado a Khan que pressione os talibãs a assinarem um cessar-fogo permanente no Afeganistão.

Os comentários de Donald Trump provocaram revolta e indignação no país.

Traumatizado por décadas de conflito, os afegãos estão preocupados com uma retirada precipitada das forças dos Estados Unidos e temem que isso provoque o retorno ao poder dos talibãs, que controlam ou exercem influência em quase metade do país, ou até uma nova guerra civil.

Cabul e Washington, no entanto, há tempos culpam o Paquistão por alimentar o conflito afegão ao apoiar os talibãs. Em janeiro de 2018, o próprio Donald Trump acusou Islamabad de “abrigar os terroristas” que estavam no Afeganistão.

A influência do Paquistão sobre os insurgentes — expulsos do poder afegão em 2001 por uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos — é, no entanto, vista como um elemento essencial para acabar com a presença norte-americana de quase 18 anos no Afeganistão.

“Se o governo afegão apoia os esforços dos EUA para garantir a paz no Afeganistão, o governo também enfatiza que os chefes de Estado estrangeiros não podem determinar o destino do Afeganistão na ausência de líderes afegãos”, afirmou o gabinete de Ghani.

O Presidente afegão mostra-se regularmente irritado por ser mantido praticamente de fora das negociações de paz que ocorrem há cerca de um ano dos Estados Unidos com os talibãs.

Muitos afegãos também reagiram fortemente nas redes sociais aos comentários de Donald Trump.

“Sinto-me chocado, ameaçado e humilhado. Nós confiamos nos norte-americanos (…) e agora o Presidente Trump está a ameaçar-nos com o genocídio!”, escreveu um afegão na rede social Facebook.

O enviado norte-americano para a paz no Afeganistão, Zalmay Khalilzad, chegou nesta terça-feira a Cabul.

Khalilzad deve acompanhar a oitava ronda de negociações com os talibãs, marcada para os próximos dias em Doha, novamente na ausência do Governo afegão.

No final de junho, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que esperava um acordo de paz com os talibãs “antes de 1 de setembro”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)