Rádio Observador

Eleições Legislativas

PSD quer devolver todo o tempo congelado aos professores e rever Lei de Bases da Educação

3.501

No programa eleitoral, PSD explica que devolução pode significar a revisão da carreira docente. Partido quer ainda universalizar o acesso a creches e alterar provas de aferição e exames no ensino.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O PSD compromete-se no seu programa eleitoral a devolver todo o tempo de serviço congelado aos professores, de forma faseada e num período “não inferior a seis anos”. O partido propõe-se ainda a rever a Lei de Bases da Educação.

De acordo com o programa eleitoral para as legislativas de outubro, o PSD garante a devolução de todo o tempo congelado, ainda que não dissocie essa devolução de uma futura revisão da carreira docente e de um conjunto de condições, entre as quais a sustentabilidade das contas públicas, recuperando a salvaguarda financeira que comprometeu, numa reviravolta parlamentar, que a devolução integral ficasse garantida ainda nesta legislatura.

Sem prejuízo de uma futura avaliação das condições de progressão entre os diferentes escalões, o PSD continuará a defender o reconhecimento do tempo total de serviço prestado até 2018 e negociará com as organizações sindicais o modo de o consagrar na progressão na carreira”, lê-se no programa dos sociais-democratas.

Ressalvando que a devolução dos mais de nove anos reivindicados pelo professores não pode acontecer num período inferior a seis anos e que ficará dependente das condições financeiras do país e da garantia de equidade com as restantes carreiras especiais da administração pública, o PSD compromete-se com a restituição do tempo remanescente a devolver aos docentes repartida entre progressão na carreira, redução da componente letiva e “despenalização da reforma antecipada a partir dos 63 anos”.

“A redução da componente letiva libertará os docentes para funções de supervisão e formação, no quadro do lançamento do novo modelo de profissionalização em exercício”, acrescenta o programa.

O PSD “não subscreve as conceções que orientam a atual política educativa” e considera “urgente repensar o quadro normativo da educação de forma a integrar uma nova visão e um novo propósito para a educação em Portugal”, começando pela Lei de Bases da Educação, que data de 1986, afirmando-se “disponível para reabrir o debate em torno de uma nova Lei de Bases da Educação, em sede de uma comissão parlamentar, constituída em exclusivo para esse efeito, que possa reunir o maior consenso entre as forças políticas representadas no Parlamento”.

O PSD quer ainda universalizar o acesso a creches e jardins-de-infância entre os seis meses e cinco anos, criando uma rede nacional “tendencialmente gratuita” com base nas redes pública e social.

Para o ensino básico e secundário, o PSD quer mais autonomia na gestão das escolas, criar academias de formação para diretores e dirigentes escolares e novos regulamentos para receitas próprias que incentivem as escolas a angariar financiamento público e privado.

Do ponto de vista da gestão de alunos e professores, os sociais-democratas querem que as escolas possam definir o número de alunos por turma com base em critérios pedagógicos, e que os horários dos docentes tenham por base uma dimensão média das turmas de 22 alunos.

O programa do PSD prevê ainda o fim das provas de aferição a meio dos ciclos e o regresso dos exames de final de ciclo. Rejeita também a atual política de flexibilização curricular, defendendo, ao invés, uma flexibilização pedagógica para o ensino de um currículo único. Sobre currículos, o PSD defende que os do ensino profissional devem ser específicos para essa via e direcionados para a vertente profissionalizante.

No ensino superior defende-se uma flexibilização no acesso, captação em todas as vias do ensino secundário e a criação de um possível ano zero para assegurar o sucesso dos alunos oriundos de percursos no ensino secundário que não ofereçam “garantias razoáveis de sucesso”. Recupera-se ainda a ideia de uma fórmula de financiamento do ensino superior, que o ex-ministro Nuno Crato tentou implementar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)