Mais três mulheres grávidas sofreram abortos espontâneos decorrentes da ingestão de carne contaminada com listeriose, avançou nesta sexta-feira o jornal espanhol El Confidencial, com base em informações das autoridades de saúde. Foi ainda confirmada mais uma vítima mortal da bactéria.

Em Sevilha, fontes oficiais da Junta de Andaluzia confirmaram que duas mulheres deram entrada nos hospitais Virgen Macarena e Virgen del Rocío. Uma delas estava na oitava semana de gravidez, enquanto que a outra já tinha chegado à 32.ª semana.

É a primeira vez que é detetado um caso de listeriose em Madrid, local do terceiro aborto espontâneo desta sexta-feira. A grávida tinha dado entrada num hospital privado, e estava no primeiro trimestre de gestação, diz o El Confidencial. A habitante da capital terá ingerido carne infetada em um restaurante de Andaluzia.

Os casos juntam-se a outros dois de aborto espontâneo causados pela infeção, que teve início na empresa sevilhana Magrudis. Segundo o jornal, 23 grávidas deram entrada em hospitais espanhóis devido à ingestão de carne contaminada e estão sob tratamento antibiótico. Três delas estão na Unidade de Cuidados Intensivos.

O Centro de Coordenação de Alertas e Emergências em Saúde (Ccaes) do Ministério da Saúde anunciou ainda esta sexta-feira a terceira morte de uma pessoa que consumiu algum dos produtos contaminados. A vítima é um homem de 72 anos, doente terminal com cancro no pâncreas.

Até agora era conhecida a morte de uma idosa de 90 anos internada no hospital Virgen del Rocío, na cidade de Sevilha, e a de outra mulher de 74 anos que permaneceu no mesmo centro de saúde.

A listeriose é uma infeção causada pela bactéria ‘Listeria monocytogenes’, habitualmente associada ao consumo de alimentos contaminados. De acordo com informação disponível no ‘site’ SNS24 do Serviço Nacional de Saúde, a listeriose pode causar febre, calafrios, dores musculares, enjoo, vómitos, diarreia.

O surto de listeriose em Espanha começou a 15 de agosto e os produtos responsáveis pelo surto são “chincharrón” andaluz (gordura de porco frita), lombo de Jerez, lombo com pimentão, e lombo caseiro temperado com pimentão, da marca “La Mechá” tendo o Ministério da Saúde espanhol recomendado à população que não consuma os produtos de carne embalada desta marca. Todos os produtos embalados identificados pelo Ministério da Saúde espanhol foram distribuídos na Andaluzia e em Madrid, exceto o lombo caseiro temperado com pimentão que foi comercializado apenas na Andaluzia.

Em Portugal, a Direção Geral de Alimentação e Veterinária esclareceu a 21 de agosto que a carne contaminada com a bactéria ‘Listeria monocytogenes’ da marca “La Mechá” e os produtos com origem no fabricante (Magrudis) espanhol, não são comercializados em território português.

O surto de listeriose em Espanha já atingiu 204 pessoas, causou três mortes e provocou cinco abortos, segundo o último balanço das autoridades espanholas divulgado esta sexta-feira.