A Nissan está em pleno processo de lançamento do novo Juke, o seu SUV do segmento B, um dos que mais cresce em Portugal e na Europa, o que atesta sobre a importância do modelo. Porém, apesar de ter entre mão um potencial best seller, o fabricante japonês optou por não se fazer representar no Salão de Frankfurt, que é “apenas” o maior do mercado europeu.

A marca nipónica não foi o única que optou por não fazer a deslocação ao evento que, ano sim ano não, é organizado na cidade alemã, decisão em que esteve acompanhada por outros 22 fabricantes, que também resolveram que os custos de estar presentes na exposição – que oscilam entre 4 e 10 milhões de euros – não compensam o retorno que daí retiram. Mas se muitos foram os que viraram costas ao certame germânico, a Nissan decidiu fazê-lo com alguma dose de humor.

Em vez de estar presente em Frankfurt com um stand que facilmente atingiria 5 milhões de euros, os japoneses resolveram montar o seu stand em Francfort, facilmente a tradução francesa da cidade germânica. Mas que, na realidade, é uma pequena aldeia na região Charente-Maritime, próxima da costa atlântica gaulesa.

Os japoneses ter-se-ão divertido com a aparente graçola, que ainda terá representado um investimento considerável, embora muito inferior aos 5 milhões que poderiam ter de pagar pela presença no verdadeiro Salão de Frankfurt. Contudo, o retorno ao investimento também não foi brilhante, pois se estava previsto que o evento organizado em Francfort fosse visitado por 150 proprietários do Juke actual, interessados em conhecer a nova geração, quem controlou as presenças no evento da Nissan pelas redes sociais descobriu apenas 23 visitantes. Independentemente das verbas envolvidas, é bem provável que o custo por contacto seja mais elevado em Francfort do que em Frankfurt.