O PSD defendeu esta quarta-feira que “não há um novo Governo”, mas “uma remodelação com alargamento”, com um executivo aumentado e “mais partidário”, considerando “uma desilusão” a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça.

Não é um novo Governo, é uma remodelação, com um Governo aumentado, mais ministros, mais máquina partidária, designadamente do secretariado do PS”, criticou o vice-presidente do PSD José Manuel Bolieiro, em conferência de imprensa, na sede nacional do partido, em Lisboa.

No final da reunião da Comissão Permanente do PSD, o dirigente social-democrata lamentou ainda que apesar de “o país se ter manifestado contra os maus resultados na saúde, educação e justiça”, não tenha havido mudanças nos ministros destas pastas. “É a desilusão de um Governo de mera continuidade”, apontou.

Como “única nota positiva”, o PSD saudou a “preocupação expressa” pela criação de uma nova pasta para a coesão territorial, considerada pelos sociais-democratas “uma política pública essencial”.

Questionado se o presidente do PSD, Rui Rio, comunicou à Comissão Permanente – o núcleo duro da direção – se pretende continuar à frente do partido e recandidatar-se à liderança, José Manuel Bolieiro escusou-se a comentar outras matérias não relacionadas com a composição do novo Governo, conhecida na terça-feira.