Um novo camião que transportavam nove migrantes foi intercetado pelas autoridades na zona de Kent. Todos estão vivos, conta a Sky News. O novo camião foi mandado parar poucas horas depois de se ter descoberto os cadáveres das 39 pessoas que seguiam no outro veículo semelhante, em Essex.

O veículo seguia na auto-estrada M20 quando foi mandado parar pela polícia perto da zona de Ashford, causando uma longa fila de trânsito. Um porta-voz da polícia de Kent contou à Sky News que essas pessoas estão a ser observadas por médicos e depois serão entregues aos serviços de imigração do Reino Unido.

Foi na madrugada desta quarta-feira que as 39 pessoas foram encontradas sem vida no interior do atrelado frigorífico de um camião, num parque industrial em Essex, no Reino Unido. Entre as vítimas mortais estava um adolescente. Entretanto o veículo foi deslocado para uma área reservada para se proceder à identificação e transporte dos corpos.

Mo Robinson, o condutor do camião, de 25 anos, natural da Irlanda do Norte, foi detido pelas autoridades por suspeita de homicídio. A detenção aconteceu pouco depois das autoridades chegarem ao tal parque industrial de Waterglade, na cidade de Grays. A polícia de Essex foi chamada ao local pelas 1h40, na sequência de um alerta feito por uma ambulância. Até ao momento, não se conhecem mais detalhes sobre o que terá levado à descoberta dos corpos na parte de trás do veículo.

O camião onde foram encontrados os 39 corpos. AFP via Getty Images

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Inicialmente foi dito que o camião tinha vindo da Bulgária, atravessado o norte de França e entrado no Reino Unido por Holyhead, no noroeste do País de Gales, no último sábado. Entretanto, o primeiro-ministro búlgaro já explicou que não há qualquer ligação entre veículo frigorífico (assim o descreve a Sky News) e a Bulgária, com exceção do facto deste ter sido registado nesse país. Entretanto, a Reuters explicou que a polícia de Essex está a estudar uma nova hipóteses que diz que o camião terá chegado vindo da Bélgica, da cidade de Zeebrugge, e não da Bulgária. A entrada em território britânico, segundo estas novas informações, terá sido feita através da localidade de Purfleet, que fica perto da zona de Grays, no distrito de Thurrock, em Essex, por volta das 00h30 desta madrugada.

A Bélgica já abriu uma investigação, a pedido do seu procurador-geral, para apurar ao certo tudo que se passou, conta o Le Soir. A BBC relata que Eric Van Duyse, o porta-voz da procuradoria federal da Bélgica, afirmou que como “parece que o camião foi enviado a partir do porto de Zeebrugge” é preciso “verificar esta realidade” com “uma investigação”. Acrescentou ainda que “não havia nenhuma certeza sobre quanto tempo” o atrelado tinha passado na Bélgica — “podem ser horas ou dias, não sabemos”. 

O primeiro-ministro búlgaro explicou (através de um comunicado divulgado pela embaixada da Bulgária em Londres, conta o Evening Standard) que o camião da “marca Scania” foi registado “na cidade de Varna” em nome de uma empresa “que tem como proprietária uma cidadã irlandesa”.  A rádio búlgara BNR afirmou, citando fontes não identificadas, que a data de registo do camião era o dia 19 de junho de 2017. Saiu da Bulgária um dia depois desse registo e nunca mais regressou.

Mo Robinson, o condutor de camiões pesados com 25 anos que se encontra detido por suspeita de homicídio.

As autoridades continuam a tentar identificar os 38 adultos e um adolescente. As 39 vítimas foram dadas como mortas no local. Em conferência de imprensa, realizada na manhã desta quarta-feira, a polícia de Essex garantiu que a identificação das vítimas é uma prioridade, ainda que até ao momento não seja possível precisar o respetivo país de origem. A polícia assegurou ainda que está nas primeiras fases de uma investigação que será certamente longa.

[Imagens de CCTV que mostram o camião a chegar ao local onde horas depois foi descoberto]

“Este é um trágico incidente em que um grande número de pessoas perdeu a vida. Estamos no processo de identificação das vítimas, mas prevejo que esse possa ser um processo demorado”, disse ao início da manhã de quarta-feira o superintendente Andrew Mariner, segundo o comunicado divulgado pela polícia de Essex.

De acordo com uma testemunha entrevistada pelo britânico The Independent, o camião estaria naquele parque industrial há pelo menos 12 horas antes de a polícia ser chamada ao local. Andy Larkin, gerente de uma empresa nas redondezas, disse àquele jornal que avistou o veículo no parque na passada terça-feira pelas 14h. “As cortinas estavam corridas, como se o condutor estivesse a dormir lá dentro.

“Até há um mês, havia ali uma empresa de refrigeração e costumava haver camiões vindos de toda a Europa estacionados, à espera de entrar. (…) Agora, é incomum estarem camiões ali. Aquela estrada geralmente está vazia, além dos carros”, disse Larkin ao The Independent.

De acordo com o jornal local Essex News, testemunhas dão conta de que houve nove carros da polícia e cerca de 15 oficiais a bloquear a Eastern Avenue em Grays, a estrada que dá acesso ao parque industrial onde o camião foi encontrado. Equipas de investigação forense chegaram de imediato ao local.

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, disse estar “chocado” com o “trágico incidente em Essex”, e garantiu estar a trabalhar de perto com a Polícia de Essex e a receber atualizações constantes do ministério do Interior. “Os meus pensamentos estão com todos aqueles que perderam a vida e com os seus familiares”, escreveu no Twitter.

Também Priti Patel, ministra do Interior, reagiu às notícias, através do Twitter, que estava “chocada e triste com este incidente absolutamente trágico em Grays”. Já no parlamento, Patel referiu que as autoridades às quais competem a pasta da imigração no ministério do Interior estão a colaborar com a polícia, enquanto a Agência Nacional de Crimes (NCA, na sigla em inglês), a quem compete investigar crimes de imigração organizada e tráfico de seres humanos, vai apurar se grupos do crime organizado poderão ou não ter desempenhado um papel nestas mortes.

Também o primeiro-ministro irlandês Leo Varadkar garantiu que investigações vão ser feitas para determinar se o camião em causa percorreu ou não as estradas daquele país.

Após a descoberta de um camião com 39 pessoas sem vida no interior, a polícia de Essex criou um departamento para o qual pessoas preocupadas com familiares podem ligar.

A BBC recorda que, em 2000, os corpos de 58 imigrantes chineses foram encontrados na parte de trás de um camião em Dover, no Reino Unido. À data, o condutor de nacionalidade holandesa foi detido.