Os avós e os tios do bebé que foi encontrado num contentor, na semana passada junto à discoteca Lux em Lisboa, vivem em Portugal, mas não é garantido que a criança seja entregue aos familiares.

A notícia é avançada, esta terça-feira, pelo jornal Público, que cita o embaixador de Cabo Verde em Portugal.

Eurico Monteiro explica que a mãe do bebé, uma jovem cabo-verdiana de 22 anos, veio para Portugal “depois de 2014 ou nos últimos dois ou três anos” para vir ter com a mãe que já residia no país. “Atualmente, os avós e tios da criança vivem em Portugal. Já conversámos com eles.”

Em declarações ao Público, o diplomata, que não quis adiantar a identidade dos familiares, afirma que não se sabe por que motivo a jovem estaria a viver na rua. “Não sabemos o que terá acontecido para ela não viver com eles, ou se os familiares tinham ou não tinham informação sobre o paradeiro dela. De qualquer modo, estranharam a informação de que ela estava a viver na rua”.

Apesar de haver familiares do recém-nascido a residirem no país, isso não é garantia de que ele vá viver com eles. Aliás, segundo a SIC Notícias, a Santa Casa da Misericórdia já terá sido contactada pelo Tribunal de Família e Menores de Lisboa para receber o bebé.

Eurico Monteiro considera que é necessário “uma avaliação muito rigorosa e criteriosa do quadro social, familiar e emocional” para decidir “qual a solução melhor para a criança”.

Recorde-se que a jovem de 22 anos encontra-se detida, a aguardar julgamento na Prisão de Tires. Ainda esta segunda-feira, três advogados — um deles é o candidato a bastonário da Ordem dos Advogados, Varela de Matos — entregaram um pedido de habeas corpus na secção central do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) para a libertar.