Três dos livros da biblioteca particular de Fernando Pessoa que foram a leilão na semana passada, em Lisboa, vão integrar a coleção da Casa Fernando Pessoa, confirmou o organismo ao Observador. Dois foram adquiridos pela autarquia, que exerceu direito de preferência sobre os dois lotes, e o terceiro pela EGEAC, a empresa municipal que tutela a Casa Fernando Pessoa.

Os exemplares comprados pela Câmara Municipal de Lisboa, que se encontram digitalizados e disponíveis para consulta no site da Casa Fernando Pessoa, foram Political Theories of the Middle Age (1913), de Otto Gierke, e Les chansons des rues et des bois (sem data), de uma coleção de obras completas de Victor Hugo publicada em Paris. O primeiro tem a assinatura do poeta na folha de guarda e o segundo diz: “A mamã oferece o Fernando em 30/XII/1911”. Fernando Pessoa tinha uma vasta coleção de livros em línguas estrangeiras. O português estava, aliás, em minoria na sua biblioteca.

A página de Les chansons des rues et des bois onde é possível ler: “A mamã oferece o Fernando em 30/XII/1911” (Fonte: Casa Fernando Pessoa)

A EGEAC adquiriu no leilão organizado na quinta-feira passada pela José F. Vicente Leilões, no Palácio da Independência, o livro A Rosa de Papel. Mysterio n’um cantigo. Poêma Dramático em prosa e verso, do poeta Augusto Santa-Rita, irmão mais velho de Santa-Rita Pintor e um interveniente muito mais discreto no modernismo português, como se explica no Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português. Essa intervenção fez-se sobretudo através da Exílio, de que foi diretor e que teve um único número em 1916. Esta revista literária, que Mário de Sá-Carneiro descreveu como “mais ou menos paúlica”, pretendia ser “o arauto de um projeto nacionalista”, que representava uma parte do “diálogo frustrado entre o Modernismo e o Integralismo”.

Santa-Rita, que participou noutras revistas como A Águia e a Contemporânea, publicou A Rosa de Papel em 1917, numa edição da Renascença Portuguesa. O exemplar que pertenceu à biblioteca de Pessoa foi assinado por ele e diz: “Para Fernando Pessôa — Poeta que admiro”.

Estes livros, que “serão integrados na nova exposição da Casa Fernando Pessoa, neste momento em preparação”, segundo informou o organismo, vão juntar-se a outros nove adquiridos em junho também durante um leilão organizado pela José F. Vicente Leilões. Destes, sete foram comprados pela autarquia e dois pela EGEAC. Entre estes, contam-se, por exemplo, Bacon vs. Shakespeare, de A.M. Edwin, A Morte de D. João, de Guerra Junqueiro, e uma importante cópia da revista Athena, com anotações e correções a lápis, que são fundamentais para o estudo da obra do do heterónimo Ricardo Reis, apresentado no primeiro número da revista.

A Casa Fernando Pessoa, localizada no número 16 da Rua Coelho da Rocha, em Campo de Ourique, onde Pessoa passou os últimos anos de vida, encontra-se atualmente encerrada para obras. Deverá abrir em 2020.