O retrato de Rui Rio, que está na parede na sede do PSD em Braga desde que é líder, foi retirado da sala no último sábado durante a votação das diretas. O presidente dos Trabalhadores Sociais Democratas (TSD) de Braga e apoiante de Rui Rio tirou uma fotografia ao local onde devia estar o retrato e manifestou a sua indignação. Afonso Henrique Cardoso, em declarações ao Observador, acusa a comissão política de Braga — liderada por Hugo Soares, braço-direito de Luís Montenegro — de “revanchismo” e “mesquinhez”. Já Hugo Soares explica que esta é um “prática habitual” para não “influenciar a eleição” e garante que o mesmo foi feito com a fotografia de Pedro Passos Coelho.

Afonso Henrique Cardoso não acata a justificação e diz que outro apoiante de Rui Rio viu João Granja, o primeiro vice-presidente de Rui Rio, a retirar a moldura de forma ostensiva com uma postura jocosa da parede. O líder dos TSD/Braga considera esta uma “questão simbólica” e classifica o ato como “pouco bonito”, já que “independentemente de o presidente ser recandidato” a fotografia deve manter-se. Afonso Henrique Cardoso garante que “há poucos anos, quando foi a reeleição do Passos Coelho, a moldura não saiu dali. E foi ali, no primeiro andar, na sala mais nobre da sede, que se votou”.

O líder dos TSD/Braga diz ainda que é “mentira” que a fotografia de Passos Coelho também tivesse sido retirada daquela sala, já que há mais de um ano que a mesma não está naquele espaço, mas numa sala contígua. E lá continuou no último sábado.

Afonso Henrique Cardoso explica que é militante há mais de 30 anos e que atualmente, além de líder dos TSD é membro da comissão política distrital de Braga do PSD.