O pedido foi feito nas redes sociais e o número de conta para quem quiser ajudar já está disponível. Carles Puigdemont, antigo presidente do governo da Catalunha, pediu ajuda no Twitter para saldar a multa de 4,1 milhões de euros, que está obrigado a pagar pela justiça espanhola. Caso não o faça, arrisca o arresto de bens.

“O Tribunal de Contas solicita uma fiança de 4,1 milhões de euros àqueles que tornaram possível o referendo a 1 de outubro. Temos 15 dias para evitar que os nossos bens sejam arrestados. Se votou a 1 de outubro, precisamos de si”, lê-se na publicação. O valor em causa é uma estimativa do Tribunal de Contas das despesas públicas causadas pelo referendo, incluindo dinheiro para sites, publicidade e convites aos parlamentares europeus e observadores internacionais.

Para além de Puigdemont, a justiça espanhola exige a outros 19 líderes catalães que paguem os custos da consulta popular, devolvendo aos cofres do executivo catalão o que foi desembolsado.

A 1 de Outubro de 2017, o governo regional liderado por Puigdemont organizou um referendo sobre a independência da Catalunha, que viria a ser declarado ilegal pela justiça espanhola. Seguiu-se a declaração de independência e, mais tarde, a fuga de Puigdemont para a Bélgica — onde ainda se encontra — enquanto outros líderes independentistas acabaram detidos.

Carles Puigdemont é atualmente eurodeputado.