O antigo secretário-geral adjunto das Nações Unidas Carlos Lopes defendeu esta terça-feira em Maputo que os países africanos devem garantir a paz e segurança como premissas para o desenvolvimento social e económico dos estados.

O guineense Carlos Lopes destacou a paz e segurança como pilares para a prosperidade de África, falando aos jornalistas, à margem da palestra que proferiu hoje em Maputo, sobre o tema “Avanços na integração regional africana: implicações para Moçambique”.

Questionado pelos jornalistas sobre a violência ‘jihadista’ que assola alguns países africanos, o antigo antigo secretário-geral adjunto nomeado por por Ban Ki-moon, defendeu que, sem segurança, o continente não poderá registar progresso.

“Acho que não é possível o comércio com qualidade sem segurança”, destacou.

As migrações e as mudanças climáticas, nomeadamente pelo seu potencial de geração de conflitos, são outras áreas a que os estados africanos devem prestar atenção, para poderem projetar o desenvolvimento social e económico.

“Às vezes, as pessoas podem pensar que as mudanças climáticas não têm uma relação direta [com as guerras], mas têm, porque muitos dos conflitos em África resultam da escassez de recursos”, destacou.