O tribunal deu como provado que Rosa Grilo matou o marido, Luís Grilo, e condenou-a a 25 anos de prisão, a pena máxima prevista na lei. O acórdão foi lido esta terça-feira no Tribunal de Loures. António Joaquim, o homem com quem Rosa Grilo tinha uma relação extraconjugal e que estava acusado de co-autoria do homicídio, foi absolvido desse crime e do crime de profanação de cadáver. Acabou por ser condenado apenas a 2 anos de prisão — com pena suspensa — por posse de arma proibida.

Rosa Grilo foi ainda condenada a pagar 42 mil euros de indemnização ao filho e ainda a uma pena acessória de indignidade sucessória. Quer isto dizer que  a viúva não poderá usufruir do valor de cerca de meio milhão de euros dos seguros de vida do triatleta Luís Grilo. Já António Joaquim vai poder voltar a exercer funções de funcionário de justiça, as mesmas que exercia antes de ser detido.

O tribunal considerou que “Rosa Grilo foi a autora material do homicídio do marido”. “Tinha uma motivação”, leu a presidente do coletivo, Ana Clara Baptista, alertando depois para o facto de “não ter sido produzida prova suficiente em audiência” para condenar António Joaquim. O tribunal absolveu assim o funcionário judicial, fundamentando-se no princípio in dubio pro reo, ou seja, em caso de dúvidas, favorece-se o arguido.

O tribunal constituído por juízes e jurados defendeu que “não é impossível” o crime ter sido apenas “feito por uma pessoa”, apesar das dificuldades que apenas uma pessoa teria em transportar o corpo, alertando até para a estrutura física de Rosa Grilo que, a seu ver, seria suficiente para carregar o cadáver do triatleta. “O facto de ter sido utilizado o edredão tornou mais fácil a sua deslocação”, disse ainda.

A juíza Ana Clara Baptista lamentou ainda a “frieza de ânimo” de Rosa Grilo, que é “difícil de percecionar” e que “não é normal”, e considerou que a versão por si apresentada — de que o marido tinha sido assassinado por angolanos — “não merece credibilidade”.

A advogada de Rosa Grilo, Tânia Reis, já anunciou entretanto que vai recorrer da decisão. O Ministério Público também vai recorrer da absolvição de António Joaquim.

Nas alegações finais, o Ministério Público (MP) tinha pedido 20 anos e seis meses de prisão, no mínimo, para Rosa Grilo e António Joaquim pela morte do triatleta. A leitura do acórdão estava inicialmente marcada para o dia 10 de janeiro, mas foi adiada depois de o tribunal ter decidido fazer alterações não substanciais à acusação.

Da “canseira” da “Sra. D. Rosa” às estrias na arma. A versão de bolso do julgamento de Rosa Grilo

Os dois arguidos foram detidos há mais de um ano, no dia 26 de setembro de 2018, por suspeitas de serem os autores do homicídio de Luís Grilo. Mas o caso veio a público muito tempo antes, quando, a 16 de julho, Rosa Grilo deu conta do desaparecimento do marido às autoridades, alegando que o triatleta tinha saído para fazer um treino de bicicleta e não tinha regressado a casa.

Seguiram-se semanas de buscas e de entrevistas dadas por Rosa Grilo a vários meios de comunicação  — nas quais negava qualquer envolvimento no desaparecimento do marido, engenheiro informático de 50 anos. O caso viria a sofrer uma reviravolta quando, já no final de agosto, o corpo de Luís Grilo foi encontrado, com sinais de grande violência, em Álcorrego, a mais de 100 quilómetros da localidade onde o casal vivia — em Cachoeiras, no concelho de Vila Franca de Xira. Nessa altura, as buscas deram lugar a uma investigação de homicídio e, novamente, Rosa Grilo foi dando entrevistas nas quais que negava qualquer envolvimento no assassinato do marido.

Rosa Grilo. Três dúvidas, duas certezas e as revelações do julgamento do caso do triatleta

A prova recolhida levou a PJ a concluir que Luís Grilo foi morto a tiro, no quarto do casal, por Rosa Grilo e António Joaquim, e deixado depois no local onde foi encontrado. O triatleta terá sido morto a 15 de julho, por motivações de natureza financeira — o meio milhão de euros que o triatleta tinha em seguros — e sentimental.

A tese de Rosa Grilo — que manteve sempre em sede de julgamento — é, no entanto, diferente: segundo as declarações que prestou no primeiro interrogatório — e que veio a reforçar em várias cartas que enviou a partir da prisão para meios de comunicação —, Luís Grilo terá morrido às mãos de três homens (dois angolanos e um “branco”) que lhe invadiram a casa em busca de diamantes.