Maurizio Cecconi, Antonio Pesenti e Giacomo Grasselli, médicos especialistas em cuidados intensivos da Universidade de Milão, assinam uma carta com recomendações para os seus colegas de outros países e relatam o que aprenderam durante os primeiros dez dias do surto do coronavírus em Itália.

“A contenção deve estar implementada para diminuir a transmissão do vírus”, dizem. Além disso, e como reportou primeiramente o The Independent, deixam uma “mensagem forte” para incentivar outros responsáveis a seguir as notas: “Preparem-se!”

A carta, que foi partilhada pela European Society of Intensive Care Medicine (ESICM), uma associação europeia para cuidados intensivos, deixa, ao todo, 10 recomendações:

  • “Preparem-se agora – com as redes das vossas UCI [unidades de cuidados intensivos] — para definir o vosso plano de contingência em caso de surto na vossa comunidade;
  • Não trabalhem “num silo” [só para vocês]. Coordenem-se com quem administra o hospital e outros profissionais de saúde para prepararem a vossa resposta;
  • Verifiquem se administração do vosso hospital e quem trata das compras hospitalares tem um protocolo sobre o equipamento de proteção individual para ser armazenado e rearmazenado;
  • Certifiquem-se de que a vossa equipe está treinada em procedimentos de como colocar e tirar estes equipamentos;
  • Usem a formação, o treinamento e a simulação tanto quanto possível;
  • Identifiquem os primeiros hospitais que podem gerir o aumento inicial de maneira segura;
  • Aumentem a capacidade total de unidades de cuidados intensivos;
  • Preparem-se para preparar áreas de unidade de cuidados intensivos onde pacientes com COVID-19 tenham de ficar em todos os hospitais;
  • Estabeleçam um protocolo de triagem para identificar casos suspeitos, testá-los e encaminhá-los para a triagem certa;
  • Certifiquem-se que definem metas claras para o cuidado com os pacientes e as suas famílias desde o início.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acordo com o mesmo documento, Maurizio Cecconi, Antonio Pesenti e Giacomo Grasselli referem que, logo no início do surto em Itália, viram grande números de pacientes a entrar nas unidades de cuidados intensivos com insuficiência respiratória que requeriam ventilação mecânica.

Preparing for COVID-19 – Message from the ESICM President & colleagues in Northern Italy – https://mailchi.mp/esicm/the-future-of-haemodynamic-monitoring-first-webinar-of-the-year-1009715

Posted by European Society of Intensive Care Medicine (ESICM) on Thursday, March 5, 2020

Jozef Kesecioglu, presidente da ESICM, refere ao partilhar a carta que esta é uma “emergência global que representa grandes desafios” para estes profissionais de saúde. “Precisamos de aprender com aqueles com mais experiência. A informação é vital. Como é possível ver, o norte da Itália está no meio de uma crise e a Lombardia, em particular, foi severamente afetada.”

Em Itália, registou-se um total de 233 mortes, e há 5.883 pessoas infetadas confirmadas. Perante o crescimento exponencial de casos, as autoridades da Lombardia tinham solicitado ao Governo para reforçar as medidas com o objetivo de minimizar o surto.

Já há 25 casos positivos de coronavírus. Governo anunciou medidas para conter surto. Várias províncias em Itália isoladas

O surto de Covid-19, detetado em dezembro na China, já provocou mais de 3.500 mortos entre mais de 101 mil pessoas infetadas em pelo menos 94 países. Em Portugal já há 25 infetados.